cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    A CASA SILENCIOSA

    Embora a sensação do plano contínuo seja preservada, há momentos de escuridão total para possíveis cortes<br />
    Por Antoniela Canto
    23/08/2012

    Em Festim Diabólico, Alfred Hitchcock sonhou fazer um longa-metragem num único plano, sem cortes. Não conseguiu por falta de recursos, embora tenha usado muitos truques de filmagem para criar a ilusão de que a história era contada assim.

    Muitos anos depois, em 2002, Alexandr Sokurov realizou o sonho hitchcockiano com seu A Arca Russa, exibindo 99 minutos de tomada única.

    O primeiro não pôde ser realizado pois estava limitado à duração de uma bobina de negativo de 35mm. Já o segundo aconteceu graças à era digital.

    Toda essa introdução serve para falar de A Casa Silenciosa, refilmagem hollywoodiana da produção uruguaia A Casa (La Casa Muda), que também é anunciado como um filme narrado em plano sequência com 88 minutos de terror psicológico.

    Acreditamos ou não acreditamos nisso? Embora a sensação do plano-contínuo seja preservada, há, no filme, momentos de escuridão total, onde não sabemos se o diretor quis seguir à risca o filme uruguaio ou realizou cortes falsos. E, apesar de odiar ser daquele tipo de pessoa que presta atencão à continuidade para encontrar algum erro, não pude deixar de ver que a mancha de sangue no corpo da garota e em suas roupas muda de lugar em determinado momento.

    A história é baseada em um caso real de assassinato da década de quarenta e traz Elizabeth Olsen no papel principal. Na trama, a garota acompanha o pai e o tio à antiga casa de veraneio da família com o intuito de reformá-la. Tudo parece corrrer bem até que começam a ouvir estranhos barulhos. Pronto. Começou o terror. Portas trancadas, tensão, sustos, efeitos sonoros e o velho truque de sugerir mais e mostrar menos.

    O trabalho de câmera bem feito também ajuda a manter o suspense, mas sem ser cansativo como em A Bruxa de Blair. Elizabeth Olsen, que na vida real é irmã das gêmeas e também atrrizes Mary-Kate e Ashley Olsen, está impecável em sua atuação. Verdadeira e nada exagerada, faz seu medo escorrer pela telona.

    O longa tem direção da dupla Chris Kentis e Laura Lau (de Mar Aberto) e estreou no Festival de Sundance 2011.

    Medo em tempo real. Vai encarar? Prepare-se para A Casa Silenciosa. E não se esqueça: a grande surpresa vem sempre no final.