cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    ACHADOS E PERDIDOS

    Por Angélica Bito
    22/05/2009

    Baseado em livro homônimo de Luiz Alfredo Garcia-Roza, Achados e Perdidos é uma produção com potencial: bem dirigida, tem uma história interessante. Porém, a produção apresenta problemas que comprometem todo o conjunto.

    Trata-se de um suspense que se passa no submundo de Copacabana, tradicional bairro da cidade do Rio de Janeiro. E lá onde transitam os vértices do triângulo amoroso que dá base ao roteiro. Vieira (Antônio Fagundes) é um policial aposentado. Evidentemente deprimido, parece só conseguir momentos agradáveis ao lado de Magali (Zezé Polessa). Prostituta, ela é amante de Vieira. Após uma noite de bebedeira, ela é encontrada assassinada em seu apartamento. As suspeitas caem sobre Vieira, último a ser visto ao lado de Magali. Além do próprio suspeito, a única pessoa que parece acreditar em sua inocência é a jovem Flor (Juliana Knust, estreando na carreira cinematográfica), amiga de profissão de Magali.

    Dirigido por José Joffily (Dois Perdidos Numa Noite Suja), Achados e Perdidos tem um roteiro fraco. Os diálogos são quase vergonhosos, assim como a atuação dos protagonistas. A jovem Juliana, mais famosa por conta de seu trabalho em novelas, não sustenta a responsabilidade das fortes cenas envolvendo a nudez de sua personagem. Ela parece estar "travada". Malu Galli é uma surpresa, já que, coadjuvante, é capaz de roubar a cena vivendo uma drogada de caráter duvidoso.

    O clima de suspense é mantido, apesar da obviedade na conclusão do roteiro. Achados e Perdidos é um filme bem dirigido, mas ainda existe um ranço de "filme brasileiro querendo ser norte-americano", especialmente nas cenas nas quais o personagem de Fagundes dá uma de Charles Bronson e similares. De qualquer forma, o contorno psicológico dado aos personagens é bem traçado, mas durante toda a exibição a impressão que fica é que falta alguma coisa para que a produção realmente decole. Talvez seja a frieza em excesso do protagonista, incapaz de conquistar uma mínima simpatia do espectador. Não somente o protagonista, mas toda a produção é distante o suficiente para provocar esse tipo de reação.