cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    ANNABELLE 3 - DE VOLTA PARA CASA

    Por Thamires Viana
    26/06/2019

    O gênero do terror ainda sofre de um grave problema: sequências mal elaboradas e, muitas vezes, desnecessárias. Por essas e outras que saber de um novo filme para a boneca Annabelle despertou o pior dos meus pesadelos e eu só conseguia pensar "Por favor, não estraguem essa franquia!". 

    No entanto, Annabelle 3 - De Volta Para Casa, filme que estreia nesta quinta-feira (27), chega como uma divertida e refrescante parcela do universo de Invocação Do Mal. Com boas cenas de jump-scare e um roteiro redondinho, o filme é um fan-service - isso não dá para negar - mas sem deixar de ser inovador em seus detalhes mais sombrios.

    Iniciando logo após o desfecho de Invocação Do Mal, primeiro filme lançado em 2013, a trama acompanha a ida de Annabelle para a casa de Ed (Patrick Wilson) e Lorraine Warren (Vera Farmiga). No local, ela é trancada em uma caixa de vidro localizada na macabra sala de artefatos que o casal de demonologistas mantém na residência. A escolha de isolar a boneca acontece depois que Lorraine percebe que ela é um portal para despertar outros espíritos malignos.

    Partindo para uma rápida viagem, o casal deixa Judy (Mckenna Grace), sua única filha, aos cuidados de Mary Ellen (Madison Iseman), uma jovem babá confiável. Mas sua melhor amiga, a corajosa Daniella (Katie Sarife), se convida para conhecer o lar dos Warren após saber que lá se escondem objetos amaldiçoados. É ela quem provoca a ira da boneca e de todos os outros objetos, dando início a uma verdadeira enxurrada de desgraças! 

    Assim como em Annabelle e Annabelle: A Criação Do Mal, o roteiro é escrito por Gary Dauberman que, pela primeira vez, assume a direção nesse universo do terror. O diretor e roteirista mantém a cronologia da franquia intacta, interligando seus acontecimentos de forma não-linear, mas muito clara para o público. Seu maior acerto foi tirar o foco de Ed e Lorraine, personagens já ambientados com o sobrenatural, e destacar um lado mais palpável do medo. Por isso, trazer um filme focado em Judy tornou a sequência ainda mais interessante, já que ele mata a curiosidade dos mais aficcionados em saber como a jovem lidava com os acontecimentos sinistros ao seu redor. 

    Tudo bem que inserir babás em filmes de terror soa como um verdadeiro clichê e isso parece só ter sido 100% eficaz no clássico A Mão Que Balança O Berço. Mas esse deslize não tira o frescor de Annabelle 3 - De Volta Para Casa, fiquem tranquilos. Além disso, a amizade de Mary com Daniella traz uma leveza à trama e garante boas doses de diversão. 

    Outro ponto alto do filme é a simplicidade com a qual ele explica seus acontecimentos. Aqui não é necessário flashbacks e nenhum relato do casal de demonólogos para que o público entenda para onde vai o enredo. Direferente de seus antecessores que estavam mais focados em apavorar, Annabelle 3 - De Volta Para Casa é descomplexo em sua linguagem e não abusa de jump-scares para prender o expectador na cadeira do cinema. Para os mais sedentos por adrenalina, isso pode ser uma grande baixa na franquia que acostumou seu público a se apavorar a cada segundo, mas reunir seus momentos sombrios em sequências seguidas foi um ótimo acerto para o longa. 

    A primeira vez de Gary na direção também trouxe novidades nos planos de cena. Em suas tomadas mais tensas, ele usa Câmera Alta - quando vemos o objeto de cima para baixo - e, algo quase tarantinesco, quando insere o zoom rapidamente para focar os objetos que deseja destacar. Além disso, como nos outros filmes do universo de Invocação Do Mal, a fotografia é excelente e não se entrega ao marasmo preto e cinza para explicitar o macabro.  

    Ainda que traga momentos previsíveis e alguns clichês do gênero, Annabelle 3 é um ótimo reencontro do público com a boneca assustadora. É importante ressaltar que o filme evita a insistência de se igualar ao sucesso do primogênito, Invocação Do Mal, e mostra que um spin-off pode aprender a trilhar seu próprio caminho e se consolidar como uma franquia de sucesso nos cinemas.