cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    ANTÔNIA - O FILME

    Por Celso Sabadin
    09/02/2007

    Na periferia de São Paulo, quatro mulheres se unem na busca do que parece impossível: montar um grupo de rap e viver da música. Amigas desde a infância, Preta (Negra Li), Barbarah (Leilah Moreno), Mayah (Quelynah) e Lena (Cindy) batalham contra todos os tipos de preconceitos pelo sonho de "Antônia", um grupo de rap exclusivamente feminino à procura de espaço num universo machista. Porém, num cenário marcado pela violência e pela exclusão social, é cada vez mais difícil separar os limites entre este sonho e o pesadelo da realidade.

    Não estranhe se durante a projeção de Antônia você perder a noção se está vendo um documentário ou uma obra de ficção. Tamanho é o realismo das cenas e tão forte é a naturalidade de suas personagens, que a confusão (no bom sentido da palavra) é plenamente justificável. O projeto foi pensado para ser deste jeito. Antônia foi quase totalmente rodado em cômodos apertados e ruas estreitas da Vila Brasilândia, bairro da periferia paulistana que reúne nada menos que 280 mil habitantes. Para o elenco, a diretora abriu mão de atores profissionais e conhecidos, optando por trabalhar com jovens talentos do movimento hip-hop surgidos na própria periferia. Assim, ficaram com os papéis principais a cantora de rap Negra Li, a intérprete de black music Leilah Moreno, a free styler Cindy, e a rapper e dançarina Quelynah. O rapper Thaíde, um dos precursores do movimento hip-hop no Brasil, faz o papel do empresário Marcelo Diamante, enquanto a cantora funk Sandra de Sá, e o sambista Thobias da Vai Vai fazem participações especiais como os pais de Preta.

    Escolhidos entre 600 pessoas, vários artistas amadores e semi-amadores se submeteram a três meses de uma preparação específica conduzida por Sérgio Penna, que já havia realizado trabalho semelhante em Bicho de Sete Cabeças e Carandiru. Da mesma maneira, os diálogos do filme foram construídos a partir da interação entre estes jovens e as situações propostas pelo roteiro. Sem frases decoradas nem marcações rigorosas, prevaleceram o improviso e a intuição. O resultado é marcante. O realismo do painel social proposto pelo filme salta aos olhos e aos sentimentos na mesma proporção em que a empatia causada pelo núcleo central de atrizes cativa logo nas primeiras cenas. É a periferia, sim, mas sem clichês piegas, nem falsos apelos moralistas ou supostamente dramáticos. A verdade das ruas salta às telas, com força e talento cinematográfico.

    Antônia é considerado o filme de fechamento da trilogia que a diretora Tata Amaral dedicou ao universo feminino, após Um Céu de Estrelas (1997) e Através da Janela (2000). O filme foi o vencedor do prêmio do público na 30ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e originou a série homônima, exibida em novembro pela Rede Globo.

    Já pode ser considerado um dos grandes filmes brasileiros de 2007.