cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    ARRASTE-ME PARA O INFERNO

    <p>Sam Raimi ironiza novos filmes de terror e transita confortavelmente entre o riso e o medo</p>
    Por Sérgio Alpendre
    12/08/2009

    Sam Raimi está de volta ao gênero que o revelou, após o passeio com desenvoltura pela franquia de sucesso Homem Aranha, que dirigiu com certos poderes desde o primeiro episódio. Em Arraste-me Para o Inferno fica claro o entendimento que Raimi tem das regras do gênero e a inegável habilidade na hora de subvertê-las.

    Em primeiro lugar, o que está em jogo no filme inteiro é o dinheiro. O menino do começo é amaldiçoado pelo roubo de um colar, assim como a protagonista Christine Brown (aliás, Alison Lohman, de Coisas que Perdemos Pelo Caminho), resolve negar a extensão de um empréstimo a uma velhinha para que o banco lucre com a hipoteca da casa e ela seja favorita para assumir um cargo importante. Sua motivação foi, indiretamente, dinheiro. Assim como a motivação dos médiuns que tentam salvá-la da maldição de uma bruxa - a mesma da casa hipotecada - é principalmente os volumosos honorários que cobram. "É um grade risco", diz, com razão, o primeiro que ela encontra.

    A questão é que essas coisas materiais – dinheiro, pagamento, promoção, casarões e outros bens valiosos – raramente aparecem com tanta inteligência em um filme de gênero. O achado de Raimi foi inseri-los meio que por contrabando, sem que o espectador se incomode de ter a atmosfera assustadora com o intermediário financeiro sempre à espreita. Podemos até rir do preço cobrado pela tentativa de livrar Christine da maldição, mas não consideramos aquilo como parte integrante do filme. Parece uma piada desconexa, uma brincadeira para o espectador. Como o filme tem outras brincadeiras com a plateia, geralmente parodiando clichês dos novos filmes de horror, fica difícil saber quando Raimi está se levando a sério, e se em algum momento está.

    Essa paródia com o novo horror rende algumas cenas muito engraçadas, mas não funciona o tempo todo. O excesso de gosma que sai dos diversos orifícios da velha bruxa, assim como a fascinação que a câmera de Arraste-me Para o Inferno parece ter pela podridão de sua carne e de sua ameaçadora dentadura às vezes dá uma impressão de que Raimi ainda está aprisionado em uma adolescência inconsequente e estéril, mas distante dos achados estilísticos de Uma Noite Alucinante II. Esse aprisionamento acaba fazendo com que certos tiros saiam pela culatra, e o ritmo seja prejudicado, assim como o clima assustador que ele consegue impor com precisão em algumas cenas. É um desagradável e inesperado ponto de desequilíbrio vindo de quem já mandou bem tanto no horror quanto na comédia (vide o hilário Dois Heróis Bem Trapalhões).

    Dois parágrafos acima eu disse que parece piada a insistente conotação material das coisas. Na verdade, não é, apesar dos risos se justificarem. O dinheiro não está ali à toa. É o dinheiro que arrasta todos para o inferno. Moral, espiritual, material, o que for, esse inferno não é nada agradável. Não é o inferno idealizado por alguns playboys do cinema, com mulheres nuas, jogatina e muitas drogas. É simplesmente o fogo eterno sob a terra. O trunfo de Raimi é conseguir despertar com a mesma facilidade o riso e o horror.