cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    ASTERIX E OBELIX: MISSÃO CLEÓPATRA

    Por Celso Sabadin
    22/05/2009

    Uma deliciosa e milionária viagem pelo mundo dos quadrinhos de Astérix. Assim pode ser definido o filme Astérix e Obélix: Missão Cleópatra, uma bem-humorada adaptação dos famosos gibis de Uderzo e Goscinny para a tela grande. Diferente do primeiro episódio, desta vez a ação não é centralizada na aldeia dos irredutíveis gauleses, mas sim no Egito. Tudo começa com uma aposta entre Cleópatra (Monica Bellucci, de Malena) e Júlio César (Alain Chabat, que também dirige o filme): na tentativa de provar ao imperador que o povo egípcio é superior ao romano, a Rainha do Nilo aceita a aposta de construir um mega palácio real em apenas três meses. Pra isso, ela pede a ajuda de Númerobis (Jamel Debbouze, de O Fabuloso Destino de Amélie Poulain), um arquiteto incompetente que por sua vez pede o apoio de Astérix (Christian Clavier) e Obélix (Gérard Depardieu) para o impossível empreendimento.

    O que se vê a seguir é uma trama recheada de non sense, de situações cômicas que seguem com fidelidade o espírito dos quadrinhos e até de gags completamente incompreensíveis. Há, por exemplo, um hieróglifo onde está escrito, em egípcio antigo: "Aquele que lê isto é um egiptólogo". Em outra cena, quando Obélix declama a beleza do nariz de Cleópatra, ele recita uma fala de Cyrano de Bergerac, que ele próprio interpretou no cinema. O roteiro brinca com tudo e com todos, de Leonardo da Vinci a Darth Vader, sem medo de ser feliz.

    Também dentro da linha de fidelidade aos quadrinhos, a direção de arte é de encher os olhos. Cores em profusão, figurinos os mais exagerados, cenários rocambolescos, tudo isso faz do filme uma imperdível viagem visual que desopila o fígado de qualquer um.

    Foi alardeado que Astérix e Obélix: Missão Cleópatra teria sido o filme mais caro já produzido na França, a um custo de 327 milhões de francos (US$ 65,4 milhões), mas vale lembrar que O Quinto Elemento, uma co-produção entre França e EUA, custou US$ 90 milhões.

    24 de outubro de 2002
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. celsosabadin@cineclick.com.br