Pôster Babenco

BABENCO - ALGUÉM TEM QUE OUVIR O CORAÇÃO E DIZER: PAROU

(Babenco - Alguém tem que ouvir o coração e dizer: Parou)

2019 , 75 MIN.

14 anos

Gênero: Documentário

Estréia: 26/11/2020

página inicial do filme
  • Onde assistir

    Programação

  • Ficha técnica

    Direção

    • Bárbara Paz

    Equipe técnica

    Roteiro: Bárbara Paz, Maria Camargo

    Produção: Bárbara Paz, Caio Gullane, Fabiano Gullane, Myra Babenco

    Fotografia: Bárbara Paz, Carolina Costa, Stefan Ciupek

    Trilha Sonora: O Grivo

    Estúdio: HB Filmes

    Montador: Bárbara Paz, Cao Guimarães

    Distribuidora: Imovision

    Elenco

    Bárbara Paz, Hector Babenco, Willem Dafoe

  • Crítica

    18/11/2020 15h05

    Por Thamires Viana

    Em uma sessão lotada na 43ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, Bárbara Paz, diretora de Babenco - Alguém Tem Que Ouvir O Coração E Dizer: Parou, falou emocionada ao público sobre o documentário: "É um filme sobre amor" e nos primeiros minutos do longa já concordamos com Bárbara!

    A produção - ganhadora do prêmio de melhor documentário sobre cinema no Festival de Veneza e anunciado como o representante do Brasil na corrida do Oscar 2021 - acompanha os últimos momentos de Hector Babenco, diretor argentino naturalizado brasileiro que foi casado com a atriz por seis anos. Por mais de trinta anos, o argentino enfrentou um linfona que o levou à morte em 2016.

    Totalmente gravado em preto e branco, Babenco - Alguém Tem Que Ouvir O Coração E Dizer: Parou explora os altos e baixos da vida do cineasta, destacando seu humor ácido, sua paixão pela liberdade e pelo cinema. Com gravações iniciadas por ele e posteriormente assumidas por Bárbara, o longa mergulha no lado mais íntimo de Babenco e leva o público a uma emocionante viagem por sua vida, seus trabalhos, seus amores...

    Pelo olhar de Bárbara, o filme se torna um diário de sua admiração pelo argentino e companheiro de vida. Delicada e minimalista, a produção traz memórias de Hector e do casal sem soar clichê, ao mesmo tempo em que se afasta da abordagem de um documentário tradicional. É mais um relato pessoal de um artista que amava contar histórias, fossem elas para um grupo de amigos ou nas telas gigantes de um cinema.

    E ele era um verdadeiro contador de histórias visuais. Entre seus trabalhos estão os clássicos Pixote - A Lei Do Mais Fraco, Carandiru e O Beijo Da Mulher Aranha, longas que permanecem presentes no imaginário brasileiro.

    No documentário, a intimidade entre criador e criatura apresenta um cuidado nas sequências mais delicadas, como as que se passam dentro de um hospital nas quais Bárbara evita trazer o lado triste. E o fato é autoexplicativo já que o cineasta era alegre e espirituoso demais para deixar que sua despedida fosse algo comum. 

    Na direção, Bárbara é espontânea, criativa e mostra que nasceu para ser estrela também por trás das câmeras. Ela transparece sensatez e amor não só pelo trabalho que exerceu, mas também pela missão de eternizar esse grande nome do cinema para o mundo. E conseguiu! Com maestria, Bárbara expõe ainda o próprio lado pessoal de alguém que se despede de um grande amor. 

    O documentário conta com o excelente trabalho de edição feito por Cao Guimarães, que mescla a rotina do casal com cenas dos filmes de Hector, além de bastidores de suas produções e reflexões sobre a vida e a morte. 

    Babenco - Alguém Tem Que Ouvir O Coração E Dizer: Parou é um retrato lindo, inclusive esteticamente, sobre o amor e a despedida, além de ser uma forma de mostrar que a arte é capaz de eternizar. 



Deixe seu comentário
comments powered by Disqus