cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    BORAT: FITA DE CINEMA SEGUINTE

    Por Sara Alves
    03/11/2020

    Cerca de 15 anos após o sucesso do primeiro Borat: O Segundo Melhor Repórter Do Glorioso País Cazaquistão Viaja À América, Sacha Baron Carter retorna à pele do excêntrico jornalista do Cazaquistão. Dessa vez, Borat tem uma missão: entregar um presente para Michael Pence, atual vice-presidente dos Estados Unidos, para que o líder do Cazaquistão conquiste o afeto e respeito de Donald Trump, presidente norte-americano.

    Mais político e ácido que o antecessor, a sequência de Borat é também superior. Melhor e mais equilibrado, o segundo filme faz rir mais vezes e amplia sua crítica social. Porém, não é para qualquer espectador, é bastante óbvio que pode incomodar quem tem estômago fraco para comédias satíricas, e claro, aqueles que apoiam tudo o que é criticado no filme.

    Em sua nova viagem aos Estados Unidos, Borat tem a companhia da filha de 15 anos, interpretada pela atriz búlgara Maria Bakalova. Sacha continua confortável e arrasando no papel, Maria vai ficando mais crível na personagem conforme o filme passa. A interação da dupla rende as cenas mais dramáticas do longa. Nesta sequência, o personagem antes ovacionado em seu país por explorar "o melhor país do mundo", agora busca redenção por ter feito o Cazaquistão virar uma piada internacional, consequência de seu primeiro documentário, que apesar de tudo foi sucesso a ponto de Borat precisar se disfarçar para andar pelas ruas norte-americanas.

    É bizarro como as pessoas realmente embarcam nas loucuras de Borat, claramente corroborando com as críticas do roteiro. Se em uma cena o personagem decide comprar uma jaula para a filha, o vendedor simplesmente responde "ok, fica $900". Ou se Borat decide perguntar para a funcionária de uma clínica de bronzeamento, qual o melhor tom de bronzeamento para sua filha ser aceita em uma família racista, a resposta é simplesmente "eu não passaria dos [tons] seis ou sete".

    O filme conta com diversas cenas reais, como a invasão de Sacha Baron Carter em uma conferência republicana, sua cantoria em um protesto pró-armas, uma visita a uma clínica antiaborto, entre outros.

    Borat - Fita de Cinema Seguinte alfineta muito a administração de Trump e a hipocrisia conservadora por meio de absurdos e preconceitos já enraizados na cultura norte-americana, chegando à plataforma de streaming da Amazon Prime Video em um momento certeiro, as eleições nos Estados Unidos. Além disso, dá para ver que o filme cumpriu seu papel e colocou o dedo na ferida de muitos. O próprio Donald Trump, e Rudolph Giuliani, advogado do presidente norte-americano que aparece em uma polêmica cena da obra, criticaram o ator Sacha Baron Carter publicamente.

    Com comentários irônicos, Sacha debochou do presidente republicano e agradeceu "pela publicidade gratuita". Como disse Seth Macfarlane, criador de Family Guy (Uma família da pesada), no Twitter, "Sacha understands America better than America does" (Sacha entende a América melhor que a própria América, em tradução livre), e entrega uma obra ousada, inteligente e divertida.