cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    BRASIL ANIMADO 3D

    Primeiro filme em 3D brasileiro tenta conquistar crianças com aventura de dois cães pelo Brasil<br />
    Por Heitor Augusto
    19/01/2011

    Brasil Animado chega aos cinemas com a alcunha de ser o primeiro longa-metragem de animação nacional em 3D. Num momento em que essa tecnologia se tornou a Meca da indústria de cinema norte-americana, o Brasil tenta, à sua maneira, se inserir.

    Trata-se de um filme frágil. O bom é que a própria produção reconhece suas limitações tecnológicas e tira sarro disso. Logo no início, os dois protagonistas, Relax e Stress, alertam que “não é um Avatar” o que os espectadores verão a seguir.

    Porém, mesmo as brincadeiras em torno de sua precariedade não escondem alguns dos problemas do filme, especialmente de estrutura e desenvolvimento de roteiro.

    A história, voltada para o público infantil, apresenta dois cachorros falantes: Relax, que adora aproveitar a vida, e seu amigo, o oposto, um empresário neurótico e conectado 24 horas. Relax propõe mais um projeto maluco: descobrir onde está o grande Jequitibá-rosa e, na aventura, conhecem diversos lugares do Brasil.

    O texto tem seus momentos divertidos, com tiradas cômicas dos personagens animados em cima de imagens capturadas em live-action. Outra escolha que funciona bem é a oposição dos protagonistas: um é bon-vivant, outro estressado.

    Porém, a forma que Brasil Animado 3D amarra as situações das aventuras dos personagens é insustentável, apegando-se demais ao cartão postal das maravilhas naturais brasileiras. Exemplo da fragilidade da estrutura é tentar resolver tudo nos diálogos entre Relax e Stress.

    No geral, Brasil Animado 3D não faz sombra para a recente safra de animações brasileiras em curtas-metragens que chegam aos festivais de cinema – por exemplo, Tempestade e Dossiê Rebordosa, de Cesar Cabral, e Historietas Assombradas, de Victor-Hugo Borges. Mas quem sabe, olhando sob um ponto de vista otimista, não seja uma porta que o cinema nacional, em termos de produção, tenta abrir, mesmo que aos trancos e barrancos?