cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    CLICK

    Por Celso Sabadin
    22/05/2009

    Quem acompanha cinema de perto conhece muito bem a capacidade dos produtores norte-americanos em se repetirem constantemente. Ousar significa arriscar o dinheiro do investimento, coisa que nenhum produtor de filme comercial gosta de fazer. A solução, então, é fazer novamente o mesmo filme. Click, de Frank Coraci, é assim: um filme que você já viu antes, agora disfarçado de novidade.

    Veja: Michael (Adam Sandler, de Espanglês) é um arquiteto estressado, sem tempo para curtir sua família. Distanciado do próprio lar, ele mal sabe da vida dos filhos e não consegue sequer utilizar o controle remoto correto para mudar os canais de sua TV. Certa noite, num acesso de raiva, ele sai à procura de um controle remoto universal, que consiga administrar todos os aparelhos eletrônicos de sua casa. Como se isso fosse resolver seus problemas. E acaba comprando um controle "mágico", de poderes absolutos, capaz de comandar o tempo e o espaço. A partir daí, Michael se sente o próprio "rei da cocada preta", manipulando a tudo e a todos conforme melhor lhe convier. Nem é preciso dizer que as conseqüências serão desastrosas.

    Com algumas pequenas variações, trata-se da mesma história e exatamente do mesmo conceito de Todo Poderoso, com Jim Carrey. E... Surpresa: ambos os filmes são roteirizados pelos mesmos Steven Koren e Mark O'Keefe. Será que eles ganharam em dobro para escrever a mesma coisa duas vezes?

    Click, porém, tem um agravante: seu diretor é o "mão pesada" Frank Coraci, o mesmo de O Rei da Água e da refilmagem de A Volta ao Mundo em 80 Dias. É um cineasta que desconhece o significado da palavra "sutileza" e não se acanha em escancarar piadas e situações (algumas de gosto duvidoso) da maneira mais escrachada possível. Quando o filme assume um tom cômico, beira "A Praça é Nossa". Quando parte para o dramático, deixa novelas mexicanas encabuladas. Assim, os bons momentos do filme (sim, eles existem) se diluem, perdidos entre banalidades. Pelo visto, Coraci é um seguidor do antigo produtor francês Charles Pathé, que, no início do século 20, já dizia que "nunca ninguém perdeu dinheiro subestimando a inteligência do público". Devia ter razão. Click faturou mais de US$ 130 milhões só nas bilheterias dos EUA.

    Tem, pelo menos, um ótimo elenco coadjuvante, com a bela Kate Beckinsale (Van Helsing - O Caçador de Monstros), o sempre estranhíssimo Christopher Walken e Henry Winkler, do antigo seriado Happy Days. David Hasselhoff, de S.O.S. Malibu, nunca esteve tão à vontade fazendo o papel de um canastrão. Por que será?