cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    CONSTRUÇÃO

    O documentário é uma busca da diretora pela imagem do pai. E só. Um vídeo pessoal que deixa o público de fora
    Por Roberto Guerra
    21/11/2012

    Este ano, durante a cobertura da 45ª edição do Festival de Brasília, questionei a relevância do longa Otto, de Cao Guimarães, por tratar-se de um documentário com essência de vídeo familiar: com muito a dizer para o autor, sua mulher e seu filho. E só. Construção, longa de estreia de Carolina Sá, mesmo não sendo tão individualista e egocêntrico como Otto, não foge à receita: um filme certamente indispensável para a autora e sua filha, mas descartável para o público.

    Carolina admite isso no próprio material de divulgação do longa: “Queria fazer um filme sobre meu pai, como maneira de conhecê-lo, já que ele deixou para nós muito arquivo filmado, gravado e escrito”. E o arquiteto Marcos de Vasconcellos que surge na fita parece ter sido de fato uma pessoa muito interessante e culta. Assim como é cativante também a filha da diretora, Branca, uma vívida menina de três anos que é mostrada na tela numa viagem a Cuba para conhecer o pai.

    Tudo muito bacana, tudo muito legal, mas tudo muito pessoal também. Não há em Construção o que vemos no ótimo documentário Elena (também exibido em Brasília e ainda sem data de estreia prevista), de Petra Costa, que, mesmo tratando de tema íntimo da vida da diretora, busca o diálogo com o público tornando-se um compartilhamento de vivência pessoal e não uma obra autocentrada como o filme de Carolina.

    Em Construção a diretora buscou conhecer melhor seu pai e, sinceramente, espero que tenha alcançado seu propósito. Mas e o público? O que há neste documentário que valha a pena levá-lo ao cinema e não deixá-lo repousando na sala de estar da autora para sessões familiares? Nada a meu ver.

    Nem mesmo as reflexões sobre arquitetura e vida urbana, sustentadas pelas percepções perspicazes do pai da cineasta, são capazes dar ao filme uma aura de interesse coletivo. E se é para meia dúzia de pessoas verem, pode ser filme, mas não é cinema.