cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    DESAFIO NO ÁRTICO

    Por Felippe Toloi
    22/05/2009

    Baseado no conto Walk Well, My Brother, de Farley Mowat, Desafio no Ártico, dirigido por Charles Martin Smith, foi indicado em nove categorias no Genie, considerado o Oscar canadense. Mas, após assistir a esta produção, confesso que estranhei tantos louros pois, apesar de ser bem-feito, o longa não é nada marcante, chegando a ser decepcionante.

    Charlie Halliday (Barry Pepper) é um experiente e condecorado piloto de aviões que vive no norte do Canadá. Ex-militar que serviu às forças armadas durante a Segunda Guerra Mundial, agora divide seu tempo entre a companhia dos amigos no bar, as mulheres locais e o trabalho. Mas, ao voltar de uma entrega em uma tribo de Inuits, seu avião sofre problemas mecânicos, caindo nas tundras gélidas locais. O piloto escapa da morte ao lado da única tripulante, a bela nativa da tribo Kanaalaq (Annabella Tiugattuk), que Charlie levava à cidade grande a fim de encontrar alguém capaz de curá-la de uma tuberculose.

    As coisas não são nada fáceis no ártico canadense. Perdidos, longe da rota de vôo, nossos heróis, além de não terem comunicação externa, apresentam dificuldade de se comunicar, já que Kannalaq mal fala inglês. Dessa forma, a dupla precisa usar todas táticas as possíveis para ser resgatada enquanto sobrevive a duras provações, como fome e frio. Sem nenhuma outra saída em vista, Charlie decide deixar a jovem para trás para procurar ajuda em algum lugar próximo. Quando ele é surpreendido pelo fato da jovem ser segura o suficiente para controlar a situação, conforma-se e aceita viver no ambiente inabitado. Com a convivência, Charlie e Kannalaq passam a sentir uma forte relação de afeto e compaixão.

    O diretor Charles Martin Smith não consegue transmitir ao espectador a sensação de desespero que é estar na mesma condição na qual os protagonistas do filme estão - embora Pepper e Annabella mostrem atuações bastante seguras. A condução do roteiro é entediante e ninguém me convence que, por mais que tenham existido boas intenções na construção da história, ela não deixou de ser cansativa. Destaco, porém, a preocupação do diretor ao não forçar uma situação romântica entre os protagonistas, coisa que não teria o menor cabimento.

    O grande ponto positivo de Desafio no Ártico é a direção de fotografia, comandada por três pessoas: David Connell, Jon Joffin e Paul Sarossy. Muito cuidadosa e detalhista, ela captura lugares exóticos e aprazíveis da localidade, tornando o filme mais agradável de se acompanhar.