cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    DOCE LAR

    Por Celso Sabadin
    27/09/2002

    O diretor Andy Tennant havia demonstrado talento em seus filmes anteriores - Anna e O Rei e Para Sempre Cinderela -, mas errou a mão nesta fraquinha comédia romântica. Repetindo praticamente o mesmo papel de "peixe fora d'água" que já havia vivido em Legalmente Loira, Reese Witherspoon agora interpreta Melanie, uma badalada estilista de moda que é pedida em casamento por ninguém menos que Andrew (Patrick Dempsey, de Pânico 3), o sofisticado filho da prefeita de Nova York. Melanie está apaixonada pelo rapaz, mas antes de aceitar o convite ela precisa retornar à sua pequena cidade natal, no interior do Alabama, para resolver alguns importantes assuntos pendentes. É ali que vários segredos serão revelados.

    Doce Lar dá a impressão de "já vi este filme antes", tamanha a quantidade de clichês e situações pra lá de previsíveis. Apenas para falar de estréias mais recentes, ele parece um Divinos Segredos piorado, explorando novamente o tema da "volta para casa", e como isso faz com que as pessoas reencontrem suas verdadeiras raízes. Não bastasse a fragilidade do roteiro, Doce Lar ainda derrapa na falta de ritmo, lento demais para funcionar como comédia. Ele também não funciona como romance, já que apresenta, na maior parte do tempo de projeção, personagens desagradáveis, de difícil empatia por parte da platéia. Fora isso, a história martela num assunto antigo e moralista que os roteiristas americanos parecem adorar: o chamado "cada macaco no seu galho", ou seja, a falsa idéia de que cada indivíduo deve se resignar aos valores que recebeu quando nasceu. E, se possível, permanecer no lugar onde nasceu, pregando assim um imobilismo social que está mais sintonizado com as castas indianas que com liberalismo ocidental.

    Tecnicamente falando, há grandes falhas. Perceba, por exemplo, que o pai de Melanie, Earl (o bom Fred Ward, desperdiçado no papel), se veste de soldado confederado para atuar num evento e sai da sala bradando: "Fora ianques!". Pois bem. O filme está montado de uma maneira que o tal evento só acontecerá no dia seguinte. Será que o pobre Earl passou um dia inteiro vestido a caráter e gritando "Fora ianques"?

    Mesmo assim, Doce Lar faturou incríveis US$ 120 milhões nos cinemas dos EUA, provando novamente que a voz das bilheterias é a voz de Deus.

    28 de novembro de 2002
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. celsosabadin@cineclick.com.br