cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA

    Por Celso Sabadin
    12/09/2008

    Entra finalmente em cartaz um dos filmes mais comentados e esperados do ano: Ensaio Sobre a Cegueira, adaptação cinematográfica que Fernando Meirelles (Cidade de Deus) fez a partir do livro de José Saramago que muitos julgavam "infilmável". Não era. Não só o filme foi aprovado pelo autor do livro, como o resultado final é dos mais intrigantes.

    O clima é de fim de mundo, de hecatombe, seguindo aproximadamente a linha de Filhos da Esperança (coincidentemente, também com Julianne Moore) ou mesmo Eu Sou a Lenda (coincidentemente, também com Alice Braga). Porém, Ensaio Sobre a Cegueira traz um enorme, gigantesco diferencial sobre os citados: ele não é uma mera ficção sobre o fim dos tempos, mas sim um tratado sobre a própria condição do ser humano.

    O pretexto para tais análises existenciais parte de uma inexplicável e aterradora epidemia de cegueira. De um segundo para outro, sem nenhum fator lógico, uma após as outras as pessoas perdem a visão, e passam a enxergar tudo branco, e não preto, como seria a cegueira convencional. Sem distinção de cor, sexo, idade ou classe social. A doença equaliza a todos. Não há mais ricos e pobres, negros ou brancos. Só cegos. Com a única - e também inexplicável - exceção da personagem de Julianne Moore, uma mulher sem nome. Aliás, nenhum personagem tem nome no filme, o que enfatiza ainda mais o caráter nivelador da epidemia.

    A cegueira deixa mais claras as personalidades dos envolvidos. O verdadeiro interior de cada um vem à tona, para o bem e para o mal. Em meio à ignorância sobre o acontecido, a sociedade tenta se reorganizar, agora sob novas e implacáveis regras. Camadas de poder se (re)estabelecem. As leituras e sub-leituras da situação são inúmeras e instigantes. Ensaio sobre a Cegueira é o bem-vindo cinema que faz pensar.

    Cinematograficamente, tudo é muito bem resolvido. Interpretações, roteiro, direção de arte que cria uma gigantesca cidade fantasma com várias tomadas realizadas na capital paulista e principalmente a fotografia esbranquiçada de César Charlone, que "cega" o espectador como os personagens da trama. Talvez haja um excesso de texto narrado, pecado menor para um grande filme.

    Co-produzido por Brasil, Japão e Canadá, Ensaio Sobre a Cegueira reúne elenco, produtores e técnicos internacionais. Um verdadeiro produto da inevitável globalização que atinge a todos. Como uma doença inexplicável.