cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    G.I. JOE - A ORIGEM DE COBRA

    <p>A produção tem tudo para agradar aos fãs de um bom filme de ação</p>
    Por Celso Sabadin
    04/08/2009

    Quem vai ao cinema para ver G.I. Joe – A Origem de Cobra espera o quê? Muita ação? Aventura? Correrias, explosões e perseguições de tirar o fôlego? Humor? Efeitos especiais? Um roteiro, no mínimo, razoável? Então, prepare-se para a boa notícia: G.I. Joe – A Origem de Cobra não vai decepcionar o seu público. Com 82 dias de filmagens (aproximadamente o dobro da média normal), belas locações na Europa e mais de 160 cenários, a produção tem tudo para agradar aos fãs de um bom filme de ação.

    O diretor Stephern Sommers utiliza mais uma vez o estilo que o tornou famoso em A Múmia: deixar o filme correr feito uma montanha russa e fazer com que o espectador se sinta dentro de um videogame, evitando, assim, qualquer tipo de reflexão e relevando qualquer eventual buraco de roteiro. Afinal, ninguém entra no cinema para ver G.I. Joe – A Origem de Cobra e pensar ao mesmo tempo.

    Quem acompanhou a gênese dos personagens, desde a criação dos bonecos de ação, nos anos 80, passando por desenhos animados e outros subprodutos (não é o meu caso), tem restrições quanto à fidelidade das histórias e subtramas. Mas, para quem não conhecia nada de G.I. Joe (meu caso), o roteiro é envolvente e até bastante elaborado para este tipo de filme, trazendo várias reviravoltas e uma trama que realmente prende a atenção.

    A ação se passa num futuro próximo, quando um gênio da tecnologia de armamentos acaba de desenvolver uma arma poderosíssima, à base de nanotecnologia biológica, capaz de corroer um tanque de guerra em segundos e uma cidade inteira em poucas horas. Tipo cupins altamente desenvolvidos. Obviamente, a tal tecnologia cai em “mãos erradas”, o que obriga os altos escalões do exército americano a lançar mão de sua sofisticada “tropa de elite” chamada G.I. Joe. A partir daí, vamos conhecendo aos poucos as histórias que colocaram em rotas de colisão personagens tão diferentes entre si, como o soldado americano Duke (Channing Tatum), sua namorada Ana (Sienna Miller) - que mais tarde se transformaria em rica baronesa -, o amigão Ripcord (Marlon Wayans, fazendo o sempre necessário contraponto cômico), o ninja Storm Shadow (Buyng Hun Lee), o ex-menino de rua Snake Eyes (Ray Park) e assim por diante, numa galeria de tipos ideal para vender muito licenciamento.

    A trama, envolvente, é entremeada por várias cenas de muita ação (ou seria o contrário: as cenas de ação são entremeadas por uma trama?), na qual se destaca uma sensacional perseguição pelas ruas de Paris, que – viva a tecnologia digital! – foi totalmente rodada numa cidade do interior da República Checa. Só esta cena levou 14 dias de filmagens. E para quem curte uma subtramazinha política, o filme ainda acena com uma crítica à indústria armamentista, que vende indiscriminadamente, para quem puder pagar, tanto a espada como o escudo.

    Lógica? Realismo? Racionalidade? Nem pensar. Afinal, estamos falando de um filme no qual o presidente dos Estados Unidos é um britânico, o galês Jonathan Pryce. A idéia é uma só: pura diversão. E, neste sentido, G.I. Joe – A Origem de Cobra entrega competentemente o que promete.