cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    HAMILTON

    Crítica
    Por Sara Cerqueira
    16/11/2020

    A versão filmada do premiado musical da Broadway é um espetáculo artístico e social completo.

    Para além das salas de aula de história, o espetáculo Hamilton conta de forma bem-humorada e com a alegria característica dos musicais a trajetória pessoal e política de Alexander Hamilton, primeiro Secretário do Tesouro dos Estados Unidos, entusiasta e pai da Revolução Americana e um dos fundadores do estado livre. Exibido direto do teatro Richard Rodgers, em Nova Iorque, o diretor Thomas Kail, ganhador do Tony, apostou no elenco original da peça e não poderia ter dado mais certo.

    Mesmo para os não entusiastas dos musicais e espetáculos teatrais, Hamilton caminha pela história com verossimilhança e graciosidade, em dois atos dividindo momentos da vida do protagonista (interpretado por Lin-Manuel Miranda). De uma infância miserável e sem prestígio em uma ilha do Caribe, vemos a ascensão popular, acadêmica e política de uma figura que tinha como marca o carisma, o apego pela educação e a luta pela liberdade (mesmo que numa visão mais liberal e não totalmente abolicionista quanto às instituições mais perversas).

    Com direito a cenários interativos, diversidade racial e de gênero no elenco e a utilização de ritmos musicais pouco explorados em grandes espetáculos de época (como Hip Hop e Rap), há um processo de imersão na narrativa quase que automático, com a quebra da quarta parede, piadas e risadas entre o próprio elenco, frutos do improviso do momento. Algo difícil de se fazer levando em consideração o nível de complexidade e preparo das vozes e das memórias dos atores, para decorar os extensos textos. Destaque para os atores Lin-Manuel Miranda e Jonathan Groff (famoso pela série Mind Hunter) interpretando o Rei George III.

    Hamilton é um passaporte para o encantamento e a magia que só os musicais podem proporcionar, com a seriedade e o poder reflexivo das cinebiografias e a comicidade das dramédias. Uma verdadeira obra de arte completa.