KILL BILL: VOL. 1

KILL BILL: VOL. 1

(Kill Bill: Vol. 1)

2003 , 111 MIN.

18 anos

Gênero: Ação

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Quentin Tarantino

    Equipe técnica

    Roteiro: Quentin Tarantino, Uma Thurman

    Produção: Lawrence Bender

    Fotografia: Robert Richardson

    Trilha Sonora: RZA

    Estúdio: A Band Apart, Miramax Films, Super Cool ManChu

    Elenco

    Ai Maeda, Akaji Maro, Ambrosia Kelley, Chia Hui Liu, Chiaki Kuriyama, Daryl Hannah, David Carradine, Goro Daimon, Hikaru Midorikawa, Issei Takahashi, James Parks, Jonathan Loughran, Julie Dreyfus, Julie Manase, Jun Kunimura, Kazuki Kitamura, Kenji Ohba, Lucy Liu, Michael Bowen, Michael Madsen, Michael Parks, Naomi Kusumi, Ronnie Yoshiko Fujiyama, Sachiko Fujii, Sakichi Satô, Satoshi Yamanaka, Shu Lan Tuan, Shun Sugata, Sonny Chiba, Tetsuro Shimaguchi, Uma Thurman, Vivica A. Fox, Xiaohui Hu, Yôji Tanaka, Yoshiko Yamaguchi, Yoshiyuki Morishita, Yuki Kazamatsuri, Zhang Jin Zhan

  • Crítica

    22/05/2009 11h03

    Quero começar minha crítica ao filme Kill Bill Vol. 1 citando um trecho da coluna desta semana de meu colega de Cineclick Celso Sabadin: "Neste momento de extrema ansiedade coletiva que vivemos nos últimos anos, Tarantino foi elevado à condição de "reinventor" do cinema, antes mesmo de ter construído uma obra cinematográfica. O Celso tem razão. Existe uma certa idolatria exagerada da mídia a Tarantino. Não nego que seus filmes são bons, bem dirigidos, interessantes de se ver e tal. Mas elevá-lo à condição de gênio da cinematografia atual é um pouco demais.

    Como bem disse o Celso, o Tarantino "genial e inovador" é fruto de uma sociedade ansiosa e desesperada por se reinventar a todo momento. Talvez nem ele leve muito a sério as elucubrações da imprensa a respeito de seu talento "incomensurável". O diretor de Cães de Aluguel e Pulp Fiction, na verdade, não pode ser considerado mais do que um exemplo bem-sucedido de como administrar em proveito próprio o excesso de referências e informações aos quais todos estamos expostos hoje em dia. Suas produções são colchas de retalhos, colagens cinematográficas - muito bem realizadas, diga-se. E aqui reside o verdadeiro mérito do diretor: ele, como poucos, consegue fazer um filme e pontuá-lo de inúmeras referências sem se perder, sem transformar tudo numa grande confusão sem pé nem cabeça.

    Kill Bill Vol. 1, que chega aos cinemas brasileiros este fim de semana, ratifica esta capacidade de Tarantino. Na tela, o que se vê é uma mescla bem azeitada das preferências cinematográficas do diretor, que vão dos longas de artes marciais das décadas de 60 e 70, passando pelos spaghetti westerns, filmes de samurais e animes japoneses. Tudo pontuado aqui e ali de um sem-número de referências à cultura pop.

    A história (ao assistir, não perca tempo em analisar coisas inúteis como a profundidade do roteiro, coerência lógica etc.) é centrada na personagem interpretada por Uma Thurman (linda na tela), uma noiva grávida que escapa milagrosamente de uma chacina promovida no dia de seu casamento. Os assassinos são seus ex-colegas, integrantes de uma gangue sugestivamente chamada de "Víboras Mortais", liderada pelo Bill (David Carradine) do título. Depois de ficar quatro anos em coma, ela resolve sair em busca de vingança. Daí em diante, o que se vê na tela são cabeças sendo decepadas a golpes de espadas e sangue, litros de sangue espirrando para todos os lados. Mas Kill Bill não é um filme violento. As situações são tão exageradas que não dá para levá-las a sério.

    Discussões sobre a suposta genialidade de Tarantino de lado, o que não se pode negar é que ele mostra-se um diretor competente ao unir todos esses estilos e referências, refazendo as peculiaridades cinematográficas de cada gênero e divertindo o espectador.

    Vale cada centavo do ingresso.



Deixe seu comentário
comments powered by Disqus