cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    LOUCAS PRA CASAR

    Nova comédia de Santucci está longe de ser cativante
    Por Pedro Tritto
    08/01/2015

    Loucas Pra Casar é mais um filme que procura tirar proveito do suposto desejo das mulheres de ter o maior casamento de todos os tempos. Com o matrimônio como tema central, a nova comédia de Roberto Santucci até busca abordar o assunto de maneira divertida, mas é incapaz de evitar os clichês básicos das comédias brasileiras.

    Mais uma vez com Ingrid Guimarães ao seu lado (os dois trabalharam juntos em De Pernas Pro Ar 1 e 2), o cineasta repete a fórmula dos seus longas anteriores, sucessos de bilheteria no país. Com a ideia de que "time que está ganhando não se mexe", o tiro saiu pela culatra e a manutenção do estilo fez com que Loucas para Casar não chegasse nem perto de empolgar, com diversas piadas previsíveis e situações exageradas que nada acrescentam à trama e nem são engraçadas o suficiente.

    A história é bem simples: três mulheres com características distintas batalham pelo amor de um homem. Temos a bem sucedida Malu (Ingrid Guimarães), a dançarina de boate Lúcia (Suzana Pires) e a religiosa fanática com jeito de criança Maria (Tatá Werneck). O problema é que a protagonista não vê a hora de se casar com Samuel (Márcio Garcia), mas quando descobre que o companheiro está tendo um caso com mais duas mulheres entra em crise. As três acabam por se conhecer e começam a disputar com todas as forças o amor do rapaz.

    Ingrid tenta de qualquer maneira conquistar o público e, como consequência, repete trejeitos e piadas de Alice, sua personagem em De Pernas Pro Ar. Com isso, fica impossível ver Malu como alguém único, real e convincente e a própria atuação da moça deixa a desejar na maior parte do tempo.

    Apesar disso, quando estão juntas, o trio de mulheres demonstra entrosamento e consegue arrancar risadas do espectador. Para compensar os problemas, ao menos o desfecho da trama tenta sair do óbvio, numa tentativa do diretor salvar a narrativa. Não é bem sucedido, porém, ao menos, ele mostra interesse em tentar algo um pouco diferente perto do final.