cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    MEU PASSADO ME CONDENA 2

    Sequência da comédia aborda temas mais ousados
    Por Edu Fernandes
    01/07/2015

    Desde o começo do milênio, o cinema nacional vê a maioria de seus sucessos de bilheteria no gênero cômico. A crítica especializada aponta diversos problemas nesse tipo de produção e uma das queixas é um moralismo no subtexto dos roteiros. A fase atual das comédias brasileiras aponta para um novo caminho nesse campo e Meu Passado Me Condena 2 é um dos exemplos positivos dessa tendência.

    Três anos depois dos eventos narrados em Meu Passado Me Condena (2013), Fábio (Fábio Porchat, de Entre Abelhas) e Miá (Miá Mello, de Cilada.com) estão em crise. Ela está decidia pela separação, mas uma morte na família dele obriga o casal a ir a Portugal e tentar deixar as diferenças de lado, pelo menos por algum tempo.

    Do outro lado do Atlântico, as disputas conjugais aumentam com novos elementos que entram em cena para complicar a situação. Na fazenda do avô de Fábio (Antonio Pedro, de O Candidato Honesto), ele reencontra um amor da infância (Mafalda Pinto). Ritinha está noiva de Álvaro (Ricardo Pereira), mas a aproximação dela com Fábio deixa Miá enciumada.

    Todo esse cenário dramático permite que a diretora Julia Rezende (Ponte Aérea) discuta temas pertinentes enquanto arranca risadas da plateia. As novas dinâmicas de relacionamento e a busca da autonomia feminina são alguns dos assuntos que podem ser encontrados no roteiro de Meu Passado Me Condena 2.

    Se há novos personagens e novos temas, o filme segue a cartilha das sequências e resgata personagens do longa original para pavimentar o caminho para o coração dos fãs. Os golpistas Suzana (Ines Viana) e Wilson (Marcelo Valle) estão convenientemente instalados na vila próxima à fazenda do avô de Fábio com suas artimanhas cômicas. Outro que regressa para fazer rir é Cabeça (Raphael Queiroga), melhor amigo do protagonista.

    A fórmula do humor permanece a mesma: pastelão e piadas escritas sob medida para a atuação do elenco. Com isso, Meu Passado Me Condena 2 espera agradar o mesmo público da comédia anterior.

    O amadurecimento cinematográfico pode ser visto também no campo cômico. Além dos bons temas, o roteiro procura por soluções dramáticas criativas, que não sejam tão parecidas com as usadas em filmes e seriados estadunidenses, mas que também não sejam tão esdrúxulas a ponto de causar estranhamento.

    No final das contas, Meu Passado Me Condena 2 alimenta o otimismo de quem acredita no poder das comédias para ajudar na formação de público para o cinema nacional. Com a fórmula familiar e seu subtexto com intenções nobres, a esperança é que nossas comédias atinjam novos patamares de qualidade e relevância.