cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    MINHA MÃE É UMA PEÇA - O FILME

    Paulo Gustavo segura comédia na pele de Dona Hermínia
    Por Cristina Tavelin
    19/06/2013

    Paulo Gustavo sabe entreter - seja no teatro, fazendo stand-up, no programa de TV 220 volts ou no cinema. O ator transita com destreza por todos esses ambientes. Além disso, leva uma ótima carta na manga: sua personagem Dona Hermínia, criada nos palcos e inspirada na própria mãe.

    Com humor ácido, ela expressa características quase universais das progenitoras, como o excesso de cuidado com os filhos, assim como o excesso de crítica. Minha Mãe é uma Peça – O Filme saiu dos palcos para as telas de cinema e assumiu os riscos desse passo.

    Sendo um monólogo, originalmente, a comédia precisou desenvolver personagens que existiam apenas no espaço lúdico do teatro, na imaginação do espectador. Não conseguiu ter consistência nesse quesito.

    Na trama, Dona Hermínia ouve uma coversa dos filhos dizendo que a consideram insuportável e resolve passar uns dias com sua tia Zélia (Suely Franco). Durante esse tempo, fala sobre a relação com cada um deles. Detalhe: a apresentação desta personagem ao som de Sidney Magal é digna de vergonha alheia. Momento desnecessário.

    Marcelina é o alvo principal da mãe por ser gorda. Suas "ofensas" em relação à filha soam como puro recalque, são engraçadas; não despertam nenhum sentimento de preconceito ou algo do gênero. O filho do meio, gay não assumido, fica em segundo plano. E o mais velho passa quase despercebido.

    Herson Capri interpreta o ex-marido da protagonista e Ingrid Guimarães sua nova namorada – obviamente, desafeto de Hermínia. A interação entre eles é importante para a trama se desenvolver mas, muitas vezes, as respostas dos coadjuvantes parecem mera formalidade. A graça está nas falas de Paulo Gustavo.

    O melhor personagem, infelizmente, é o que menos aparece. Samantha Schmütz encarna a diarista do prédio e tem o mesmo nível de humor ácido de Hermínia. As duas protagonizariam cenas hilárias se houvesse mais interação.

    Seguindo o padrão Globo Filmes, a estética remete à novela das oito. E quando tenta emocionar, ainda apegado a esse estilo, o longa quase perde a linha com um momento trágico. Mas consegue escapar do tédio a tempo.

    Certamente, Minha Mãe é Uma Peça – O Filme atingirá em cheio o grande público, alternando momentos clichês de comédia com outros realmente engraçados e ácidos. No entanto, cercada por personagens mais fracos e visual muito refinado, Dona Hermínia perde parte de seu potencial. O palco do teatro continua sendo sua casa.