cineclick-logo
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • Fale Conosco|Política de Privacidade
    © 2010-2020 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    MULHERES AO ATAQUE

    Comédia tinha potencial, mas se rende a clichês
    Por Daniel Reininger
    08/05/2014
    4/10

    MULHERES AO ATAQUE

    12
    Comédia

    Mulheres ao Ataque é a nova comédia de Nick Cassavetes (Diário De Uma Paixão) e mostra a vingança de três personagens contra Mark, homem mulherengo e mentiroso interpretado Nikolaj Coster-Waldau, o Jaime Lannister de Game of Thrones. O longa tenta seguir os moldes de O Clube Das Desquitadas, mas não é capaz de reproduzir o tom ácido e inteligente da produção de 1996.

    Na trama, a bem-sucedida advogada Carly (Cameron Diaz) finalmente decide investir num relacionamento quando descobre que o homem ideal é casado. Aos poucos, Carly e Kate (Leslie Mann), esposa totalmente submissa a Mark, começam uma improvável amizade, afinal são unidas pelo ódio. Quando descobrem outra amante, decidem desmascará-lo, mas a sujeira é maior do que esperavam e, com uma nova garota a bordo (Kate Upton), prometem uma vingança à altura.

    Embora a premissa seja boa, as mulheres do filme se limitam a falar mal e perseguir a pessoa que mais odeiam, enquanto tentam traçar um caminho para Kate aprender a viver após o divórcio – tratado como algo de outro mundo. O roteiro de Melissa Stack capta bem o desamparo natural da situação, porém, o diretor exagera ao fazer do rompimento um drama e tentar justificar a obsessão das personagens.

    Enquanto a esposa se desespera com a traição e abusa da comédia física - cheia de trejeitos, tropeços e gestos exagerados -, Diaz se mostra bastante niilista e atua como contraponto. As protagonistas funcionam juntas, crescem ao longo da narrativa e aprendem lições valiosas uma com a outra. Apesar dos papeis estereotipados, as duas se viram bem dentro das limitações e conseguem arrancar risadas em diversos momentos. O mesmo não pode ser dito do resto do elenco.

    Para terminar de estragar essa comédia cheia de potencial, Cassavetes abusa das piadas com excrementos, dos clichês, da trilha sonora genérica para fazer o espectador se emocionar e até de piadas machistas. Mesmo assim, dentro do gênero, chegamos à triste constatação de que o longa não está entre os piores de Hollywood – onde parece não haver mais espaço para rir sem apelar.