cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    Novo 'Caça-Fantasmas' emociona e diverte com homenagem ao clássico dos anos 80

    'Ghostbusters - Mais Além' traz a essência do longa de 1984 sem perder sua originalidade
    Por Rafa Camargo
    02/11/2021 - Atualizado há 19 dias

    Existe um termo em inglês no estudo de cinema chamado “eulogy”, cuja tradução foi adaptada para “homenagem” ou “elogio” – mas essa é uma daquelas palavras que não tiveram uma definição que faça jus ao seu significado.

    Dentro do mundo da arte, uma obra “eulogy” é algo que não só preste respeito a outra obra que veio antes, mas que incorporasse tudo que fez esse trabalho ser tão renomado dentro da sua própria história.  

    Faz sentido? Consegue compreender a dificuldade?

    É uma linha tênue e complexa de se escrever, pois o roteirista pode facilmente cair para o lado da “cópia” e “zero originalidade” ou pode acabar criando e mudando coisas demais que tornem a experiência “desrespeitosa” ao material original.

    Mas já é com muita alegria que eu os afirmo que Ghostbusters: Mais Além acertou em cheio. Esse projeto é, sem dúvida alguma, o melhor trabalho “eulogy” que assisti recentemente.

    Cena de Ghostbusters - Mais AlémDivulgação

    Para falar de Ghostbusters: Mais Além, primeiramente precisamos endereçar a triste notícia de que Harold Ramis (ator que viveu um dos caça-fantasmas no clássico de 1984) faleceu em 2014 – e se esse filme não é uma das formas mais lindas de se homenagear um ator, eu não sei o que seria.

    A trama nos apresenta à filha e aos netos de Dr. Egon Spengler (Harold Ramis), que estão passando por problemas financeiros e ao saber do falecimento do avô e de uma possível herança, decidem ir à uma pequena cidade de Oklahoma para confiscar os bens.

    O avô nunca foi próximo da família e o filme rapidamente estabelece um conflito entre a mãe e o avô – deixando claro que Egon esteve ausente por todos esses anos.

    Porém assim que chegam ao local, a família começa a se deparar com histórias da vizinhança a respeito da rotina de Egon e os dois netos começam a descobrir pouco a pouco os arquivos dos Caça-Fantasmas originais, além do possível nascimento de uma nova ameaça.

    Cena de Ghostbusters - Mais AlémDivulgação

    E é com base nessa decisão narrativa de permitir que os netos vasculhem por meio do passado do falecido avô que temos o grande triunfo de Ghostbusters: Mais Além – que consegue nos entregar uma nova história pautada em eventos do passado, mas com identidade suficiente pra ser um projeto original.

    O elenco é extremamente funcional para o que a trama pede, mas acredito que o destaque deva ser feito para a jovem atriz Mckenna Grace (Annabelle 3: De Volta Para Casa) que consegue entregar uma personagem caricata quando é necessário, complexa quando lhe é pedido e o mais importante: cheia de camadas a todo instante.

    Outra presença que não posso deixar de mencionar é Paul Rudd (Homem-Formiga), que pra mim é um tesouro da atuação mundial. Sempre me fascina o carisma do ator em seus papéis e a maneira como ele se encaixa como uma luva em um filme com essa temática cômica e “aventuresca”.

    Cena de Ghostbusters - Mais AlémDivulgação

    Mas tudo isso que falamos seria o suficiente para classificar o projeto como uma nota 6 ou 7, não é? Então por qual motivo estamos aplicando 8 de 10?  

    O que tornou esse filme memorável? O terceiro ato, sem dúvida alguma.

    Propositalmente eu vou deixar esse trecho da crítica bem vago para que você não comece a teorizar a respeito e tenha uma das melhores sequências da década de ficção científica arruinada.

    Então tudo que eu posso dizer é que eu não me lembro da última vez que assisti a uma homenagem tão profunda e tão linda sendo reproduzida nas telonas. Simples assim.

    Cena de Ghostbusters - Mais AlémDivulgação

    Se você não é o maior fã do Caça-Fantasmas de 1984, como é o meu caso – que adoro o filme e reconheço a beleza do que foi feito para o cinema, eu sem dúvida alguma recomendo que você assista o novo longa, pois além de termos uma aventura extremamente divertida, é impossível não se maravilhar com o final.

    Por outro lado, se você é fã do clássico, Ghostbusters: Mais Além se torna automaticamente uma obra essencial, que você não pode (mesmo) perder.

    Veja também