cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    O CÍRCULO

    Por Celso Sabadin
    22/05/2009

    O cineasta Jafar Panahi foi o pioneiro – e talvez o principal – responsável pela introdução e popularização do cinema iraniano no Brasil. Em 1995, seu filme O Balão Branco conquistou a crítica e o público brasileiro graças à extrema simpatia e à simplicidade de seu roteiro e direção. Cinco anos depois, Panahi conseguiria a consagração internacional com o drama O Círculo, o grande vencedor do Leão de Ouro no Festival de Veneza 2000.

    Chegando agora aos nossos cinemas neste fim de semana, O Círculo é uma inteligente e contundente denúncia contra os preconceitos sofridos pela mulher iraniana. A primeira cena já dá o tom da narrativa: uma voz feminina anuncia, através de uma minúscula janela, que acaba de nascer uma menina. As mulheres que ouvem a notícia parecem abaladas. Deveria ter sido um menino. O plano fechado, sufocante, ainda não deixa claro se aquela janela é de uma maternidade ou de um presídio. Na medida em que a história se desenvolve, o espectador percebe que, para a mulher iraniana, não existe muita diferença entre estas duas instituições: num mundo dominado pelos homens, maternidade e presídio são a mesma coisa para o sexo feminino.

    O título do filme se deve principalmente à forma circular como a história é contada. Aliás, não apenas a história, mas sim as histórias. O episódio inicial da pequena janela se amarra a vários outros, todos envolvendo personagens femininas em situações de grande tensão. Há a jovem foragida da polícia, a menina grávida expulsa de casa, a mãe angustiada. Não são, como tem acontecido no cinema ocidental, histórias que se entrelaçam, mas sim que se fecham num grande círculo. Uma estrutura circular que exibe com clareza o painel de denúncias citado no início deste texto.

    O Círculo é um exercício narrativo dos mais criativos. Um belo filme co-produzido entre Irã e Itália que merece ser conferido mesmo por quem costuma torcer o nariz para o chamado estilo iraniano de se fazer cinema.

    31 de julho de 2001
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rede Bandeirantes de Televisão, Canal 21, Band News e Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. celsosabadin@cineclick.com.br