O Melhor de Mim

O MELHOR DE MIM

(The Best of Me)

2014 , 118 MIN.

12 anos

Gênero: Romance

Estréia: 30/10/2014

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Michael Hoffman

    Equipe técnica

    Roteiro: J. Mills Goodloe, Michael Hoffman, Nicholas Sparks, Will Fetters

    Produção: Alison Greenspan, Denise Di Novi, Justin Burns, Nicholas Sparks, Ryan Kavanaugh, Theresa Park

    Fotografia: Oliver Stapleton

    Trilha Sonora: Aaron Zigman

    Estúdio: DiNovi Pictures, Relativity Media, Surefire Entertainment Capital

    Montador: Matt Chesse

    Distribuidora: Imagem Filmes

    Elenco

    Gerald McRaney, James Marsden, Liana Liberato, Luke Bracey, Michelle Monaghan

  • Crítica

    28/10/2014 20h40

    Se você acha que O Melhor De Mim vai repetir todas as fórmulas já conhecidas dos dramas de Nicholas Sparks e entregar uma história água com açúcar sem nada de especial, acertou.

    Com direção de Michael Hoffman (Um Dia Especial), a trama gira em torno do casal Dawson e Amanda, interpretados na juventude por Liana Liberato e Luke Bracey. Completamente apaixonados durante a adolescência, os dois acabam se separando por motivos bem comuns neste tipo de filme, como problemas de famílias e o batido discurso de "eu não sou bom o bastante para você". Adultos, vividos por Michelle Monaghan e James Marsden, se reencontram após a morte de um amigo em comum e os velhos sentimentos vêm à tona.

    Abusando de clichês, o longa não inova e revisita motivos que unem o casal, além dos possíveis conflitos que podem separá-lo. Usando cenas comuns como beijos na chuva e momentos românticos embaixo d'agua, o filme cria a empatia pelo casal aparentemente perfeito e insiste em dar provas e mais provas do quanto esses dois merecem ficar juntos. Além disso, insere situações dramáticas aleatórias na esperança de arrancar lágrimas da audiência a cada etapa da história.

    Envolto em tom melodramático que vai desde a música triste de fundo até close-ups, o enredo se desenrola sem surpresas, com montagem não linear, alternando passado e presente. Pior, é ver que o reencontro não muda apenas a vida amorosa dos personagens, mas até mesmo cabelos e roupas, que passam a remeter à adolescência, principalmente da protagonista feminina.

    Com nove filmes e no processo de lançar sua própria produtora, o autor que nos entregou o querido Diário De Uma Paixão continua na produção de um livro atrás do outro, e consequentemente, um filme atrás do outro. Atores desconhecidos e medianos (exceto por casos como Noites De Tormenta, com Richard Gere e Diane Lane) garantem produções baratas com potencial para atrair grande público, afinal,  mais uma vez, a trama simples irá agradar àqueles que procuram um drama bonitinho, cheio de insinuações sobre o destino, com um final emocionante totalmente impossível e a repetição da palavra "amor" e suas variações centenas de vezes.



Deixe seu comentário
comments powered by Disqus