cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    O MENINO NO ESPELHO

    Infantil nacional é bem produzido, divertido e nostálgico
    Por Roberto Guerra
    17/06/2014

    Este é um filme para o público infantil em que as crianças vivem num mundo bem diferente do atual. Ambientado no final da década de 1930 em Belo Horizonte, em O Menino no Espelho elas brincam na rua, sobem em árvores, usam telefone de lata e o local em que menos querem estar é o próprio quarto. Mas os dilemas infantis ainda são os mesmos e a molecada de hoje, que gosta de ficar trancafiada em casa jogando videogame, vai curtir este bem produzido filme, adaptação para as telas do livro homônimo de Fernando Sabino.

    Dirigido por Guilherme Fiúza, O Menino no Espelho conta a história de Fernando (Lino Facioli), garoto inventivo que logo no início do filme é mostrado tentando fazer decolar um avião artesanal fabricado por ele mesmo. A aventura não dá lá muito certo e ele acaba recebendo um castigo rígido dos pais, vividos por Mateus Solano e Regiane Alves. Só podendo sair de casa para estudar, Fernando tira a sorte grande quando ganha um clone, que é seu reflexo no espelho, chamado Odnanref.

    Esperto, Fernando não perde tempo e deixa a cargo de seu duplo as tarefas chatas de seu dia-a-dia. Enquanto se diverte com seu irmão mais novo e os amigos Pedro e Mariana, sobra para Odnanref cumprir o castigo e ir à escola. Mas não demora muito e Fernando começa a perceber que deixar de viver partes de sua vida, mesmo as aborrecidas, talvez não tenha sido um ideia tão boa assim.

    O livro de Sabino é organizado em capítulos isolados. Cada um representado por um pequeno conto, permeado das características fantasiosas impostas pela mente infantil de Fernando. O trio de roteiristas, formado por André Carreira, Cristiano Abud e Guilherme Fiúza Zenha, tem alguns problemas em conectar as histórias. Nada muito grave, mas perceptível.

    Especialmente quando entra em cena o major integralista Pape Faria (Ricardo Blat), que num momento ganha destaque para depois perder força na trama, mesmo que rendendo boas sequências. O elenco infantil rende razoavelmente bem, mas Facioli, conhecido do público por sua participação em Game of Thrones, não consegue o grau de empatia que um protagonista pedia.

    Mesmo com alguma inconstância aqui e ali, O menino no Espelho é um agradável e divertido filme para o público infantil; os adultos também vão curtir a nostalgia de uma infância mais próxima de suas vivências. Não podia deixar de destacar a direção de arte, trabalho elogiável de recriação de época feito por Oswaldo Lioi. Tecnicamente, e faz tempo já provamos isso, não ficamos atrás de ninguém. Precisamos caprichar um pouco mais em roteiro.