cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    OS NORMAIS 2 - A NOITE MAIS MALUCA DE TODAS

    Para quem gostava das situações malucas da série, talvez seja uma boa idéia.<br />
    Por Angélica Bito
    26/08/2009

    Os Normais 2 – A Noite Mais Maluca de Todas chega aos cinemas brasileiros com uma intenção bem clara: seis anos depois do lançamento do primeiro filme baseado na bem-sucedida série de TV, quer levar os fãs do programa aos cinemas. E, de fato, o tipo de humor e o ritmo dialoga muito mais com a série do que o primeiro filme, Os Normais – O Filme, de 2003.

    José Alvarenga Jr. – que recentemente assinou um dos sucessos brasileiros nos cinema, Divã - volta à direção das aventuras de Vani e Rui depois de conduzir as histórias na TV e no primeiro longa; Os Normais 2 – A Noite Mais Maluca de Todas marca não somente o retorno do diretor à franquia, mas também dos roteiristas, Fernanda Young e Alexandre Machado, além dos atores Fernanda Torres e Luiz Fernando Guimarães. Mais um motivo para levar os fãs da hilária dupla de volta às salas escuras.

    O filme mostra a jornada de Rui (Luiz Fernando Guimarães) e Vani (Fernanda Torres) em busca de uma aventura sexual para apimentar o noivado, que já dura 13 anos: querem encontrar uma companheira para fazer sexo a três. Nessa jornada, eles encontram os tipos mais curiosos, como uma recém-divorciada (Danielle Winits), a prima de Vani (Drica Moraes) e uma bissexual (Claudia Raia), dentre outras figuras com as quais a dupla de protagonista apronta. A situação serve de ponto de partida para o desenvolvimento de uma série de acontecimentos constrangedores. A dinâmica entre os dois protagonistas é infalível: funcionava na TV, segue funcionando nesta continuação. É a melhor coisa do filme, definitivamente.

    Para quem gostava das situações malucas da série, talvez seja uma boa idéia: Os Normais 2 – A Noite Mais Maluca de Todas consegue dialogar melhor com esse público. Com ritmo de cartoon e o humor nonsense que fez o sucesso da série de TV, apimentado pela ausência maciça de sexo – mais sugerido do que mostrado, no caso -, o longa tem agora a missão de retomar a dramaturgia encerrada há seis anos, quando a série parou de ser produzida. E a aposta é grande: a distribuidora promete 450 cópias, esperando igualar-se ou superar a marca de três milhões espectadores levados aos cinemas por Os Normais – O Filme.