OS VINGADORES - THE AVENGERS

OS VINGADORES - THE AVENGERS

(The Avengers)

2012 , 136 MIN.

12 anos

Gênero: Ação

Estréia: 27/04/2012

página inicial do filme
  • Onde assistir

    Programação

  • Ficha técnica

    Direção

    • Joss Whedon

    Equipe técnica

    Roteiro: Joss Whedon

    Produção: Kevin Feige

    Fotografia: Seamus McGarvey

    Trilha Sonora: Alan Silvestri

    Estúdio: Marvel Enterprises, Marvel Studios

    Montador: Jeffrey Ford, Lisa Lassek

    Distribuidora: Disney

    Elenco

    Alicia Sixtos, Amanda Righetti, Carmen Dee Harris, Chris Evans, Chris Hemsworth, Clark Gregg, Cobie Smulders, Evan Kole, Gwyneth Paltrow, Jenny Agutter, Jeremy Renner, Lou Ferrigno, Mark Ruffalo, Paul Bettany, Robert Downey Jr., Samuel L. Jackson, Scarlett Johansson, Sean Meehan, Stan Lee, Stellan Skarsgård, Tom Hiddleston, Walter Perez

  • Crítica

    23/04/2012 20h00

    Novidade nas telas, a parceria entre heróis é comum em histórias em quadrinhos. A primeira equipe de superpoderosos a fazer sucesso foi a Liga da Justiça, da DC Comics, rival da Marvel no seguimento. Três anos depois a Marvel criaria os Vingadores, que reunia os heróis mais populares da editora numa mesma revista e foi a resposta ao sucesso alcançado pela concorrência. Eles agora ganham as telas no longa Os Vingadores, que soube reunir com competência e equilíbrio os personagens Thor, Capitão América, Hulk e Homem de Ferro numa parceria jamais vista no cinema.

    Aos heróis citados acima, que já haviam feito sucesso em carreiras-solo nas telas, juntam-se Viúva Negra (Scarlett Johanson) e Gavião Arqueiro (Jeremy Renner) numa espécie de tropa de elite organizada por Nick Fury (Samuel L. Jackson). O apelo, naturalmente, é o mesmo alcançado pelas HQs. A lógica é fácil de ser entendida: dificilmente um leitor do Homem de Ferro se interessaria pelas histórias de Thor, mas ver ambos reunidos no mesmo grupo e confrontando suas habilidades é irresistível para qualquer fã de super-heróis.

    E Os Vingadores dá ao espectador justamente o que ele espera de um encontro como esse. No longa os vemos tentando superar sua inevitável tendência individualista e atuar como um time para vencer o oponente. No meio do caminho, claro, há conflitos de toda ordem que permitem aos espectadores satisfazer aquelas típicas curiosidades nerds: quem leva a melhor num confronto, a armadura tecnológica do Homem de Ferro ou a força bruta de Hulk? E este, seria capaz de erguer o martelo de Thor? O Mjolnir é capaz de atravessar uma montanha e voltar para as mãos do Deus do Trovão, mas conseguiria romper o escudo do Capitão América? É preciso assistir a Os Vingadores para saber as respostas. E elas estão todas lá.

    O vilão que promove a união do grupo é Loki (Tom Hiddleston), o Deus da Trapaça, irmão de Thor. Ele vem para a Terra e rouba o Tesseract, um cubo cósmico de poderes mágicos, para fazer aquilo que todo vilão sonha em fazer: dominar o mundo. E ele não vem sozinho; traz consigo um exército de alienígenas pouco amigáveis. Diante da iminência da catástrofe, Nick Fury, o diretor da agência secreta S.H.I.E.L.D, tem de unir os heróis diante da causa e convencê-los a fazer em conjunto aquilo que é rotineiro na vida de um herói: salvar o mundo.

    Quando a turma finalmente resolve suas diferenças e se une, o filme que já estava bom chega a seu ápice. As sequências são movimentadas, divertidas (o humor se faz presente a todo momento) e as mais de duas horas de projeção não são sentidas em momento algum. Ao subir dos créditos você quer mais deste filme que supera qualquer um dos anteriores da Marvel em todos os quesitos: ação, tensão, diversão, emoção...

    Ao contrário de uma revista em quadrinho, na qual reunir diversos heróis depende apenas da vontade da editora, fazer um longa-metragem desse porte envolve muitos nós a desatar, como pagar polpudos cachês a atores do primeiro time, alinhar suas agendas de trabalho e ainda satisfazer os egos que costumam ser tão inflados como os dos personagens que interpretam. Edward Norton, interprete do Hulk no filme de 2008, ficou de fora da produção por “falta de espírito de colaboração”, segundo executivos da Marvel. Com isso, foi descartado de Os Vingadores e substituído por Mark Ruffalo, que assumiu o papel tão bem que nem se sente falta de Norton.

    A Marvel conseguiu a proeza de reunir todos os atores e o diretor e roteirista Joss Whedon a de fazer um dos melhores filmes de super-heróis dos últimos tempos, capaz de agradar aos fãs e àqueles que não necessariamente cresceram cultuando esses personagens.

    Após o término da sessão, aguarde na sala a subida dos créditos. Uma breve cena especial abre espaço para uma possível continuação. Esta, no entanto, depende do sucesso de bilheteria de Os Vingadores. A julgar pela qualidade do filme, a reunião do grupo de heróis vai virar rotina.



Deixe seu comentário
comments powered by Disqus