cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    PARATODOS

    Documentário foge do tradicional discurso de superação
    Por Iara Vasconcelos
    22/06/2016

    Em ano de Olimpíada no Brasil, Paratodos, documentário dirigido por Marcelo Mesquita (A Viagem De Yoani), fala sobre os obstáculos que os atletas paraolímpicos brasileiros enfrentam para atingir o alto nível, manter-se lá e conquistar medalhas. Entretanto, engana-se quem pensa que as dificuldades se restringem às limitações físicas desses esportistas. Problemas como a falta de incentivo financeiro e regras mal formuladas das competições são expostos no filme.

    O longa mostra o cotidiano de treinamento de alguns dos principais nomes do atletismo paraolímpico nacional e faz boa discussão sobre a inclusão de pessoas deficientes na sociedade. Cenas das competições são mescladas com bastidores e depoimentos, divididos por modalidade e representados sempre por um atleta específico, dentre eles Fernando Fernandes (Canoagem), Alan Fonteles (Atletismo), Terezinha Guilhermina (velocista) e Daniel Dias (Natação).

    A principal polêmica acontece durante uma das provas de canoagem. Atletas do mundo todo, dentre eles Fernando, denunciam irregularidades nas classificações, já que alguns dos competidores teriam o movimento parcial das pernas, garantindo vantagens sobre os demais.

    O documentário busca fugir da idealização do esporte paraolímpico ao explorar questões como essas e ao mostrar os sacrifícios dos atletas para manterem-se no físico ideal. Mesmo sem esse tom romantizado, o espectador não deixa de ver os esportistas como os verdadeiros guerreiros que são.

    Os bastidores da seleção de futebol de 5, composta por deficientes visuais, durante o mundial no Japão, é um dos pontos altos de Paratodos. O bom humor dos jogadores e a eletrizante final contra a seleção Argentina faz com que nós vibremos como se o jogo fosse ao vivo.

    Com um retrato sincero e realista, Paratodos foge do tradicional discurso de superação e mostra que o esporte paraolímpico é coisa séria e não deve em nada para a modalidade convencional de esportes.