cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    POUCAS E BOAS

    Por Celso Sabadin
    22/05/2009

    O que se deve esperar de um filme de Woody Allen? Diálogos inteligentes? Situações cínicas e sarcásticas? Bom humor? Ótimas interpretações? Então, seja bem-vindo à comédia dramática Poucas e Boas, um Woody Allen legítimo, cheio de diálogos inteligentes, situações cínicas e sarcásticas, bom humor e ótimas interpretações. Principalmente de Sean Penn e Samantha Morton, ambos indicados ao Oscar e ao Globo de Ouro do ano.

    O roteiro de Allen imagina um fictício Emmet Ray (Sean Penn), exímio guitarrista de jazz e blues na época da Grande Depressão. Sem medo de ser cafajeste, Ray é cafetão, cleptomaníaco, machista, cruel... e mesmo assim as mulheres o adoram. Desde uma simplória lavadeira (a jovem inglesa Samantha Morton), até uma sofisticada escritora (Uma Thurman). Emmet, por outro lado, não ama as mulheres. Os melhores momentos de sua vida são dedicados à sua música, a observar trens passando e a atirar em ratos no lixão. No fundo, ele tem mesmo é pavor de se apaixonar.

    Poucas e Boas tem o inconfundível estilo de Allen que o público ama ou odeia: profusão de palavras, força total nos diálogos, ritmo cadenciado e muito jazz na trilha sonora. Para os fãs, uma maneira quase hipnótica de filmar. Para os desafetos, a estranheza de se contar histórias fora do padrão hollywoodiano tradicional. Para Allen, nem sempre é necessário que seus filmes tenham os clássicos começo, meio e fim bem definidos, tão valorizados nas escolas de roteiro. Para ele, vale mais o clima, o momento, a idéia e o sentimento a serem transmitidos.

    Ultimamente, porém, as platéias parecem rejeitar cada vez mais este estilo solto do famoso cineasta novaiorquino: mesmo com duas indicações ao Oscar, Poucas e Boas faturou irrisórios US$ 4 milhões nas bilheterias americanas. Muito pouco para a qualidade do filme, que pode não figurar entre os melhores de Allen, mas que sem dúvida é um belo trabalho – ao mesmo tempo engraçado e sensível – que merece ser conferido.
    Em tempo: repare também na esplêndida reconstituição de época.

    31 de janeiro de 2001
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista especializado em cinema desde 1980. Atualmente é crítico de cinema da Rede Bandeirantes de Rádio e Televisão e do Canal 21. Às sextas-feiras é colunista do Cineclick. celsosabadin@cineclick.com.br