cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    PROTEGIDA POR UM ANJO

    Por Angélica Bito
    22/05/2009

    Nos EUA, Protegida Por Um Anjo foi lançado direto em DVD, sem passar pelos cinemas do país. A pergunta que mais esteve em minha cabeça durante os quase-eternos 115 minutos de projeção é: por que lançar este filme nos cinemas por aqui? Penso nas produções infinitamente melhores que não tiveram circuito exibidor nas salas brasileiras. Penso, também, naquelas que sequer chegam em DVD. E chego à conclusão que esse é o único mistério que um filme como este consegue provocar junto à mente do espectador.

    Talvez o único destaque seja a presença de Demi Moore que, apesar de não aparecer de biquíni como em As Panteras - Detonando (2003), mostra-se belíssima no auge dos 44 anos. O que não justifica, em nenhum momento, a existência deste filme, que traz Demi no papel de Rachel Carlson, uma escritora de livros de suspense premiadíssima. A produção de seu novo romance é interrompida com a morte do filho Thomas (Beans El-Balawi). Oito meses depois, ela não consegue seguir com seu trabalho, muito menos com o casamento. Separada de Brian (Henry Ian Cusick, o Desmond da série Lost), ela aluga uma casa na Escócia num povoado que tem pouco menos de 200 habitantes. Na beira do mar, ela busca pela inspiração para seguir escrevendo. Numa ilha vizinha, ela conhece Angus McCulloch (Hans Matheso), o misterioso vigilante do farol local.

    Protegida Por Um Anjo mistura drama, romance, suspense sobrenatural e até crimes. Querendo aproveitar-se da já misteriosa cultura celta, rendendo algumas belas músicas celtas na trilha sonora, o filme não chega a lugar algum. Pior: irrita. Porque uma coisa, para o espectador, é assistir a uma produção que não acrescenta em nada. Tudo bem, desde que proporcione algumas horas de diversão. Mas nem isso Protegida Por Um Anjo faz. Além de ser enfadonho e mal dirigido, o filme ainda é capaz de lançar perguntas sem respostas, dando conclusões evasivas e nada convincentes à complicada - porém nada atraente, ou enigmática - trama.