cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    RISCADO

    Ganhador do prêmio de Melhor Atriz no Festival do Rio, longa é feito com ternas camadas<br />
    Por Heitor Augusto
    05/09/2011

    Construído para além das superfícies, Riscado traz a história Bianca (Karine Teles), jovem mulher que tenta ganhar a vida como atriz. Sua história se desenrola na tela (e por que não fora dela também?) por meio de camadas. Existe um registro tradicional da câmera, que revela ao espectador o enredo. Paralelamente, há imagens mais ternas, íntimas e intimistas, espécie de diário visual de Bianca. Existe ainda uma terceira linha, já que Bianca é atriz e está às voltas com um papel protagonista em um filme no qual aproveita suas experiências de vida.

    Essas três narrativas cinematográficas formam um lindo, carinhoso e harmônico filme. Não se trata apenas de exercício formal, mas de criar no espectador um efeito de vida se desenrolando e descortinando continuamente no cinema, sensação que vem do cruzamento dessas três instâncias e prolongamentos da vida de uma mulher.

    Riscado tem seus méritos da colorida direção de arte que cria ruídos com um enredo não tão colorido. A montagem embaralha os tempos narrativos, mas a interligação de momentos e imagens de diferente natureza está na base do filme, numa discussão provavelmente pré-roteiro. Talvez essa seja a razão da organicidade de um filme que abriga outros dois dentro de si.

    Estreia de Gustavo Pizzi na direção de uma ficção – o carioca já havia codirigido Pretérito Perfeito, Riscado deu a Karine Teles um merecido prêmio de Melhor Atriz no Festival do Rio em 2010. Interessante filme que dá oxigênio novo ao espectador.