STAR WARS: EPISÓDIO I - A AMEAÇA FANTASMA

STAR WARS: EPISÓDIO I - A AMEAÇA FANTASMA

(Star Wars: Episode I - The Phantom Menace)

1999 , 136 MIN.

Gênero: Ficção Científica

Estréia:

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • George Lucas

    Equipe técnica

    Roteiro: George Lucas

    Produção: George Lucas, Rick McCallum

    Fotografia: David Tattersall

    Trilha Sonora: John Williams

    Estúdio: Lucasfilm Ltd

    Montador: Ben Burtt, Paul Martin Smith

    Distribuidora: Fox Film

    Elenco

    Ahmed Best, Alan Ruscoe, Amanda Lucas, Andrew Secombe, Anthony Daniels, Benedict Taylor, Brian Blessed, Bronagh Gallagher, Candice Orwell, Celia Imrie, Chris Sanders, Clarence Smith, Dhruv Chanchani, Dipika O'Neill Joti, Dominic West, Ewan McGregor, Frank Oz, Gin Clarke, Greg Proops, Hassani Shapi, Hugh Quarshie, Ian McDiarmid, Jake Lloyd, James Taylor, Jerome Blake, John Fensom, Karol Cristina da Silva, Katie Lucas, Keira Knightley, Kenny Baker, Khan Bonfils, Lewis Macleod, Liam Neeson, Lindsay Duncan, Liz Wilson, Marc Silk, Margaret Towner, Mark Coulier, Megan Udall, Michaela Cottrell, Michelle Taylor, Natalie Portman, Oliver Ford Davies, Oliver Walpole, Pernilla August, Peter Serafinowicz, Phil Eason, Ralph Brown, Ray Park, Samuel L. Jackson, Scott Capurro (voz), Silas Carson, Sofia Coppola, Steve Speirs, Terence Stamp, Toby Longworth (voz), Warwick Davis

  • Crítica

    06/02/2012 17h00

    Star Wars é, sem dúvidas, uma das franquias cinematográficas que mais fãs conquistou ao redor do mundo. Para os não iniciados, vale um preâmbulo: a saga interplanetária desenhada por George Lucas começou com a trilogia que vai do quarto ao sexto capítulos (Uma Nova Esperança, O Império Contra-Ataca e O Retorno do Jedi) . Star Wars: Episódio I - A Ameaça Fantasma, lançado em 1999, deu início à nova trilogia que tapa o buraco do início. O filme volta às telas embalado pelas famigeradas releituras de grandes sucessos em formato 3D.

    Em A Ameaça Fantasma, o espectador conhece o vilão Darth Vader antes dele se bandear para o lado negro da força. Ele se chama Anakin Skywalker (Jake Lloyd), um menino que vive como escravo ao lado de sua mãe e será libertado por um mestre jedi chamado Qui-Gon Jinn (Liam Neeson). Obi-Wan Kenobi (Ewan McGregor), sábio Jedi da série original, é um jovem e determinado aprendiz. Junto com Qui-Gon Jinn sua missão é defender o povo de Naboo e sua rainha Amidala (Natalie Portman).

    Quando lançado em 1999, o filme foi considerado por fãs e crítica o mais fraco da franquia. Não sem razão. De fato, 13 anos após sua estreia, a impressão continua a mesma. O longa começa com uma trama burocrática desnecessária que envolve o bloqueio das rotas comerciais ao planeta Naboo imposto pela Federação Comercial. Lucas perde muito tempo nessa questão e demora a ir ao que interessa: dois cavaleiros Jedi que, na tentativa de salvar a rainha Amidala (Natalie Portman), acabam caindo em um planeta inóspito onde encontram o jovem Anakin Skywalker, que como todos sabem, virá a se tornar o temido Darth Vader. Outro problema bem conhecido do longa é o “mala” do Jar Jar Binks, inserido na trama como alívio cômico, mas na verdade um fardo chato.

    Outro problema de A Ameaça Fantasma é que seus personagens animados têm mais profundidade e empatia que os vivos. Os seres humanos aqui são tipos que pouco têm a dizer e não cativam a audiência. Falta à trama um canalha cativante como Han Solo, por exemplo. A graça do filme está mesmo em trazer de volta aos fãs elementos e personagens que fazem parte da mitologia da série, como os cavaleiros Jedi, o todo-poderoso mestre Yoda, os robôs C3-PO e R2-D2 e, claro, as batalhas com sabres de luz.

    Sobre o alardeado trabalho de transposição para o 3D, não se iludam. Os efeitos se limitam à profundidade de campo e imagens com foco em primeiro e segundo plano, o que até funciona relativamente bem tomadas fechadas e cenas mais estáticas. Nas sequências de ação, porém, nas quais se esperava algum diferencial, nada acontece, nem mesmo na melhores partes do filme, a corrida de pods e os combates de sabres de luz. Uma prova de que filmes não pensados para o formato 3D têm ganho limitado com o processo de transposição. Em todo caso, para aquele fã de Star Wars que bate palma até quando aparece o logotipo da Lucasfilm na tela, vale a ida ao cinema.



Deixe seu comentário
comments powered by Disqus