cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    STAY ALIVE - JOGO MORTAL

    Por Angélica Bito
    18/08/2006

    Quer ser surpreendido ao ver um filme de terror? Então passe longe de Stay Alive - Jogo Mortal. Sei que já virou clichê dizer que este ou aquele filme tem todos os lugares-comuns consagrados pelo gênero, mas é impossível parar de dizer isso enquanto filmes como este forem produzidos. É um ciclo e quem perde com isso, claro, é o espectador que aposta em longas como este.

    Dirigido pelo "semidesconhecido" William Brent Bell, o filme mistura games, jovens e assassinos sanguinários, trinca capaz de chamar atenção dos adolescentes que freqüentam as salas de cinema munidos de seus sacos gigantes de pipocas. O Stay Alive do título é o nome de um jogo de videogame, ainda em teste, que está sendo o motivo de dor de cabeça de um grupo de jovens fissurados em games. Isso porque o jogo de terror é realmente assustador. E, pior, as mortes no game over de cada jogador começam a se concretizar. Liderados por Hutch (Jon Foster, estragando sua carreira depois de seduzir Kim Basinger em Provocação, de 2004) e Abigail (Samaire Armstrong, a Anna do seriado The O.C.), o grupo tenta descobrir uma forma de impedir que a vingança do fantasma de uma maluca do passado não siga causando tragédias em suas vidas.

    Sempre que assisto a um filme, tento pensar em aspectos bons em sua produção. Se não sou otimista no dia-a-dia, tento ser ao avaliar uma produção. No entanto, ser otimista é realmente difícil em se tratando de Stay Alive - Jogo Mortal. Os personagens são construídos tendo como base clichês do gênero. Veja só: temos o jovem geek que dá a assessoria intelectual na solução dos problemas, o líder com traumas vindos da infância, o amigo chato que fuma maconha e nunca acredita nas teorias malucas do grupo, a nova na turma que tem alguns mistérios... Todos estão ali, conspirando para que o terror seja previsível. E bota previsível nisso. Nem temos um vilão de verdade, de carne e osso, pra causar certa tensão. Afinal, as figuras que assustam os amigos em Stay Alive - Jogo Mortal saíram de um videogame e têm a mesma forma e aparência digital que costumamos ver nos jogos. E o final dá a dica: podemos esperar seqüências deste filme.

    Será que o fato do filme ter menos de uma hora e meia é positivo dentro de tantas coisas ruins?