cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    'Tempo' traz trama envolvente, mas perde o brilho ao se explicar demais

    Novo longa de M. Night Shyamalan retrata o envelhecimento de maneira misteriosa
    Por Thamires Viana
    29/07/2021 - Atualizado há 2 meses

    Qualquer novidade envolvendo o nome de M. Night Shyamalan costuma deixar os fãs de suspense com muita expectativa! Com Tempo, seu novo longa, não foi diferente. A ansiedade em conferir o filme é exatamente pela maneira como o cineasta costuma conduzir suas produções: cercadas de mistérios e com reviravoltas de cair o queixo.

    Porém, se ele conseguiu nos surpreender positivamente em O Sexto Sentido e Fragmentado, aqui ele parece ter perdido um pouco a mão, principalmente por deixar de lado a ambiguidade que tanto curtimos em seus filmes. 

    Em Tempo, baseado na graphic novel Sandcastle, de Pierre Oscar Lévy e Frederik Peeters, uma família formada por Guy (Gael Garcia Bernal), Prisca (Vicky Krieps), Trent (Rio Nolan) e Maddox (Alexa Swinton) se hospeda em resort a fim de descansar. O lugar parece mágico, com bom atendimento e atividades para distrair as crianças. Quando são convidados pelo gerente a conhecerem uma praia paradisíaca próximo ao local, a família nem imagina que o pesadelo está só começando. 

    Na mesma van (conduzida por um funcionário do hotel interpretado pelo próprio Shyamalan), eles são acompanhados de outra família: Charles (Rufus Sewell), Chrystal (Abbey Lee), Agnes (Kathleen Chalfant) e Kara (Kylie Begley). No local estão também o enfermeiro Jarin (Ken Leung) e sua esposa psiquiatra Patricia (Nikki Amuka-Bird), e o rapper Mid-Size Sedan (Aaron Pierre).

    Nikki Amuka-Bird e Ken Leung em cena de Tempo (2021)Reprodução / IMDb

    Quando Trent encontra o corpo de uma mulher boiando na água, isso desencadeia uma sequência de eventos sinistros envolvendo todos presentes na praia: eles passam a envelhecer rapidamente em questão de horas.

    O maior triunfo de Shyamalan é levar o público junto nessa grande incógnita que domina a trama. Ao mesmo tempo em que os personagens não fazem ideia do que está acontecendo, o público também não tem explicações. Dessa forma, os dois primeiros atos do filme ganham um ritmo interessante que irá agradar aqueles que curtem um bom suspense psicológico.

    Tudo vai se tornando um emaranhado de acontecimentos sem que o diretor sequer nos dê tempo para compreender a cena anterior. Quem seria o responsável por tudo isso? A praia? As rochas ao redor? Algum dos integrantes do grupo? É esse questionamento que faz de Tempo um filme bem desafiador.

    Porém, embora traga elementos precisos para o longa, Shyamalan peca na ausência de diálogos extensos. Isso funcionou em algumas de suas outras produções, incluindo o clássico O Sexto Sentido, mas em Tempo se torna um agravante. Com o roteiro mais enxuto, o filme perde a chance de aprofundar melhor seus personagens e preencher algumas lacunas que ficam pelo caminho.

    Cena de Tempo, novo filme de M. Night ShyamalanReprodução

    Outro detalhe do filme que pode frustrar os fãs é o excesso de explicações que ele insere no terceiro ato da produção. Shyamalan é conhecido exatamente por suas reviravoltas e finais ambíguos que aguçam a curiosidade e deixam o público 'quebrando a cabeça' ao sair do cinema. No momento em que insere, de uma vez só, todas as respostas para justificar os mistérios, Tempo perde um pouco o seu brilho e também a essência do cineasta.

    No mais, a produção conta com um bom trabalho visual, incluindo enquadramentos de câmera e transições interessantes para ilustrar a passagem do tempo através dos personagens. As atuações, incluindo Alex Wolff e Thomasin McKenzie como Trent e Maddox na versão adolescente, são bem executadas, assim como Bernal e Krieps que garantem uma cena marcante próximo ao final do filme. 

    Com Tempo, Shyamalan se mostrou menos surpreendente, sim, mas também mais pé no chão ao trazer uma mensagem ao público usando a mescla do suspense psicológico e do drama familiar. Mesmo que singela, a lição do filme propõe aquele pensamento "o tempo está passando, então aproveite ao máximo a sua vida agora" que possivelmente te fará sair do cinema ligando para todos aqueles que você ama! 

    Trailer oficial