THOR

THOR

(Thor)

2011 , 114 MIN.

10 anos

Gênero: Aventura

Estréia: 29/04/2011

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Joss Whedon, Kenneth Branagh

    Equipe técnica

    Roteiro: Ashley Miller, Don Payne, J. Michael Straczynski, Mark Protosevich, Zack Stentz

    Produção: Kevin Feige

    Fotografia: Haris Zambarloukos

    Trilha Sonora: Patrick Doyle

    Estúdio: Marvel Entertainment, Marvel Studios, Paramount Pictures

    Distribuidora: Paramount Pictures Brasil

    Elenco

    Adriana Barraza, Alexander Wright, Anthony Hopkins, Blake Silver, Buddy Sosthand, Carrie Lazar, Chris Hemsworth, Clark Gregg, Colm Feore, Dakota Goyo, Dale Godboldo, Darren Kendrick, Harley Graham, Hilary Pingle, Idris Elba, Isaac Kappy, J. Michael Straczynski, Jaimie Alexander, Jamie McShane, Jason Camp, Jim Palmer, Joel McCrary, Joseph Gatt, Josh Dallas, Joshua Cox, Juliet Lopez, Justice Smith, Kat Dennings, Kelly Hawthorne, Kinsey McLean, Luke Massy, Matt Battaglia, Matt Ducey, Maximiliano Hernández, Natalie Portman, Patrick O'Brien Demsey, Ray Stevenson, Rene Russo, Richard Cetrone, Rob Mars, Ryan Schaefer, Seth Coltan, Shawn-Caulin Young, Stan Lee, Stellan Skarsgård, Tadanobu Asano, Ted Allpress, Tom Hiddleston

  • Crítica

    27/04/2011 13h43

    Sim, funciona! Thor não é o melhor nem o pior filme de super-herói já realizado, mas funciona. O grande medo dos fãs era saber se os produtores conseguiriam transpor para as telas de cinema, sem cair no ridículo, a fascinante história do deus nórdico de cabelos loiros esvoaçantes e seu poderoso martelo, que tanto sucesso faz desde 1962, ano em que surgiu, nos quadrinhos, pelas mãos de seus criadores Stan Lee, Larry Lieber e Jack Kirby.

    Bom, criadores do personagem no universo HQ, que fique bem claro, pois a figura de Thor é milenária dentro da mitologia. Tanto que no idioma inglês, que batiza cada dia da semana em homenagem a um deus ou a um astro, a quinta-feira recebeu o nome de Thursday, corruptela de Thor´s Day, ou o dia de Thor.

    Mas vamos ao filme. Thor começa mostrando a luta pelo poder no reino planetário de Asgard, onde o soberano Odin (Anthony Hopkins) prepara a sucessão entre seus dois filhos: Thor (o australiano Chris Hemsworth) e Loki (o inglês Tom Hiddleston). Não confundir com Lóki, o belo documentário sobre Arnaldo Baptista.

    Thor é mais destrambelhado e impulsivo, enquanto Loki parece mais equilibrado. Anthony Hopkins, que já foi pai do Zorro e pai do Lobisomem, agora na pele de pai de Thor, dá a ele a preferência do trono. Mas como um bom drama shakespeariano, uma briga de vida e morte pelo poder real culminará com o banimento de Thor, que cai na Terra sem os poderes do martelo.

    O filme se desenvolverá em dois planos: o de Asgard, permeado por uma direção de arte de gosto duvidoso, misto de art-déco com National Kid; e o da Terra, mais divertido, onde um Thor malhado e sem poderes provoca suspiro nas meninas. Principalmente da jovem cientista Jane (Natalie Portman, de Cisne Negro).

    Esta divisão da ação em dois universos distintos e complementares mostra-se uma boa solução de roteiro. As cenas em Asgard caem como uma luva na preferência dos fãs de grandes batalhas, momentos épicos, ação e aventura mítica. Enquanto a Terra serve de cenário para pitadas de romance e bom humor, fechando assim uma estratégia que claramente visa agradar a todos os públicos e – claro – todos os bolsos. Afinal, não dá para brincar muito quando se tem nas mãos um orçamento estimado em US$ 150 milhões.

    Sobra ainda um verniz, como dissemos, shakesperiano, que fornece uma espécie de aval para quem não quiser ver o filme com olhos única exclusivamente de entretenimento. Talvez por isso tenham convidado Keneth Brannagh, de longa experiência no quesito Shakespeare, para a direção.

    Falta, certamente, o charme que um Robert Downey Jr. conferiu aos dois divertidos episódios de Homem de Ferro, já que Chris Hemsworth não proporciona exatamente um show de carisma. Mas mesmo assim tem bom ritmo e funciona. Não é o filme inesquecível de HQ do ano, mas também não faz feio.

    Ah, como quase sempre, o 3D é bastante dispensável.



Deixe seu comentário
comments powered by Disqus