cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    TROCANDO OS PÉS

    Adam Sandler quase se redime com novo filme
    Por Edu Fernandes
    27/05/2015

    Alguns anos atrás, Adam Sandler (Cada Um Tem A Gêmea Que Merece) estrelava anualmente em filmes que mesclavam comédia com drama. No final, a quantidade de lágrimas era equivalente a de risadas. Depois de um período de filmes de gosto duvidoso, o comediante volta à tônica mais triunfante em Trocando Os Pés.

    No longa, ele interpreta Max, um sapateiro insatisfeito com a vida. Sua rotina se resume ao trabalho em uma pequena loja de sua família e aos cuidados que dedica à sua mãe (Lynn Cohen, de Jogos Vorazes: Em Chamas). Um dia ele descobre uma antiga máquina para consertar sapatos que permite que ele assuma o lugar dos clientes. Quando veste os calçados que passaram pelo equipamento, Max toma a forma do dono original da peça.

    A novidade é o presente que o protagonista esperava. Agora ele pode experimentar vidas de outras pessoas e se afastar de suas frustrações pessoais. A premissa permite a criação de situações cômicas e ao mesmo tempo inicia o subtexto dramático do filme.

    Outro elemento de drama se dá na relação de Max com seu pai (Dustin Hoffman, de Chef), que o abandonou há muito tempo. Os traumas que o afastamento causou nele e na mãe tornam o protagonista um homem ainda mais amargurado. Com a máquina mágica, existe a chance de se reconectar com esse dilema.

    Trocando os Pés chega ao circuito logo depois de Juntos E Misturados (2014), no qual Sandler refaz a parceria de sucesso com Drew Barrymore. Antes disso, o ator passou por uma fase menos frutífera, com filmes que por vezes não chegaram sequer a ser lançados nas salas de cinema. Com a toada atual, a esperança é que ele volta a se dedicar a projetos mais interessantes, como Click (2006).

    O caminho é longo, uma vez que Trocando os Pés ainda tem suas fraquezas. A principal delas é o desfecho, que se obriga a criar gancho para uma possível sequência. No entanto, esse desvio narrativo não se encaixa no resto do roteiro e parece um apêndice enxertado por um produtor ganancioso e pouco sensível.