cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    UM AMOR DE BORGES

    Por Celso Sabadin
    22/05/2009

    Antes de mais nada, é bom deixar claro: Um Amor de Borges não é uma cinebiografia romantizada nem grandiloqüente do escritor argentino Jorge Luis Borges. Não espere grandes momentos hollywoodianos. O filme é uma pequena e simples preciosidade que relata os anos anônimos do escritor, o nascimento de uma carreira que alcançaria mais tarde fama internacional.

    O roteiro é baseado no livro autobiográfico Borges a Contraluz, de autoria de uma das primeiras paixões do famoso escritor, Estela Canto (vivida no filme pela espanhola Inés Sastre). A narrativa de Um Amor de Borges tem início em 1944 e mostra o personagem principal ainda em início de carreira, trabalhando numa pequena biblioteca, no momento em que ele conhece Estela, uma irrequieta locutora de rádio. O amor entre eles parece impossível: ele é tímido, conservador, apaixonado por filosofia e literatura, e tem verdadeira devoção pela mãe. Ela é liberal, militante e fascinada pelos ideais comunistas. Surge entre os dois, porém, uma forte identificação com o universo da cultura, um ponto de ligação que poderia se transformar numa grande paixão.

    Tudo no filme é cheio de singeleza e romantismo. O platonismo da relação, as hesitações de cada um, os medos e ansiedades. Um romance à moda antiga, no melhor sentido da expressão. Mas certamente o ponto mais alto de Um Amor de Borges é a marcante interpretação de Jean Pierre Noher no papel principal. Ele praticamente carrega o filme, esbanjando talento e naturalidade. Não por acaso, Noher levou o prêmio de Melhor Ator Latino no Festival de Gramado e no Miami Hispanic Festival do ano passado. Prêmios, aliás, não faltam ao filme. Um Amor de Borges conquistou os troféus principais nos festivais de Biarritz, Trieste, Miami e Santo Domingo, além de quatro indicações pela associação dos críticos da Argentina.

    É um belo trabalho, poético e sensível, que merece ser conferido.

    18 de fevereiro de 2002
    ____________________________________________
    Celso Sabadin é jornalista e crítico de cinema da Rádio CBN. Às sextas-feiras, é colunista do Cineclick. celsosabadin@cineclick.com.br