cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    UMA LOUCURA DE MULHER

    Com piadas fáceis e personagens caricatos, comédia não agrada
    Por Daniel Reininger
    30/05/2016

    As comédias brasileiras andam cada vez mais padronizadas, com piadas fáceis, personagens caricatos e situações improváveis. Essa realidade não muda para Uma Loucura De Mulher, longa com Mariana Ximenes e Bruno Garcia.

    Na trama, Lúcia (Ximenes) é uma ex-bailarina casada com Gero (Garcia), político mais interessado em se tornar governador do que em manter a paz no casamento. Mesmo assim, Lúcia está disposta a apoiá-lo, mas ele pisa na bola e a moça foge para o Rio de Janeiro, onde redescobre a alegria de estar solteira. Só que Gero precisa dela para se eleger e fará de tudo para tê-la ao seu lado.

    O longa tenta mostrar os bastidores do poder, mas não faz isso de forma realmente interessante. Paralelamente, mostra as desventuras de Lúcia em sua busca por felicidade, porém, o roteiro está mais interessado em arrancar piadas fáceis de situações absurdas do que construir uma narrativa interessante de fato.

    As atuações caricatas também não ajudam em nada a produção, que tem um tom novelesco mais exacerbado do que o esperado, mesmo para comédias nacionais. Cada acontecimento é tratado com um enorme nível de drama, fazendo com que o menor dos problemas pareça o fim do mundo para esses personagens. Então aguarde cenas simplesmente ridículas.

    A comédia física também dá as caras, com situações batidas e incapazes de arrancar sorrisos por mais forçadas que fossem. Na verdade, os clichês estão presentes a cada cena e a sensação de que já vimos tudo aquilo antes apenas se aprofunda conforme a fraca trama se desenrola.

    Uma loucura de Mulher ganha um pouco pelo carisma de seus protagonistas, principalmente Mariana e Bruno, mas nem isso é suficiente para fazer o longa se tornar algo agradável realmente. Com isso, temos mais uma produção brasileira rasa e bastante dispensável.