Poster de Velozes e Furiosos 6

VELOZES E FURIOSOS 6

(Fast and Furious 6)

2013 , 125 MIN.

14 anos

Gênero: Ação

Estréia: 24/05/2013

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Justin Lin

    Equipe técnica

    Roteiro: Chris Morgan

    Produção: Clayton Townsend, Neal H. Moritz, Vin Diesel

    Fotografia: Stephen F. Windon

    Estúdio: Etalon film, Original Film

    Distribuidora: Paramount Pictures Brasil

    Elenco

    Alex Martin, Allistair McNab, Andy Pointon, Bao Tieu, Baron Jay, Benjamin Davies, Clara Paget, David Ajala, Denis Khoroshko, Dwayne Johnson, Gal Gadot, Gina Carano, Gioacchino Jim Cuffaro, Glen Stanway, James Hare, Joe Taslim, Jordana Brewster, Kim Kold, Lee Asquith-Coe, Leon Corbin, Lewis James, Ludacris, Luke Evans, Mark Badham, Michelle Rodriguez, Paul Walker, Rihanna, Rowena Diamond, Siong Loong Choong, Stephen Marcus, Sung Kang, Tyrese Gibson, Victor Gardener, Vin Diesel

  • Crítica

    24/05/2013 18h32

    Primeira consideração sobre o sexto filme da franquia Velozes e Furiosos: a ação é ininterrupta do começo ao fim da fita. Nem dopado alguém seria capaz de dormir durante a sessão. Talvez seja isso (e só isso) que boa parte dos fãs espera. E se o espectador médio deixará a sala satisfeito com o que viu, por que dar mais a ele? Um script decente, por exemplo.

    O longa começa com um racha entre Dom (Vin Diesel) e Brian (Paul Walker) através de um estreita e sinuosa estrada nas montanhas europeias. A cena – totalmente dispensável à trama - serve apenas para dar start (ou off) no cérebro. Os parceiros e o resto do bando movido à velocidade estão espalhados pelo mundo após o lucrativo assalto no Rio, retratado no filme anterior. São chamados à ativa pelo policial Luke Hobbs (Dwayne Johnson), que promete o perdão aos criminosos se estes o ajudarem a capturar Shaw, terrorista vivido por Luke Evans.

    Dom, no entanto, está menos interessado em limpar sua ficha e mais em descobrir o que aconteceu à Letty (Michelle Rodriguez), que havia morrido no quarto filme da franquia e foi ressuscitada agora. Ela faz parte do bando de Shaw e parece ter esquecido completamente suas origens, o que Dom vai descobrir da pior maneira ao encontrá-la. Destaque para o sofrível talento dramático de Vin Diesel ao saber que o grande amor de sua vida está vivo. A emoção assoma de seu semblante ao melhor estilo Chuck Norris.

    O que vem a seguir é o esperado. Perseguições frenéticas em carrões superpossantes, tiroteios e muita pancadaria. Não há como negar que o diretor Justin Lin sabe conduzir bem essas sequências. Uma em especial, sobre uma ponte, envolvendo até tanque de guerra, é muito bem dirigida e vibrante. Peca em seu final pelo exagero que beira o ridículo. Filmes não têm de ter apego à verdade, mas sim à verossimilhança do que propõem seus enredos. Os heróis de Velozes e Furiosos são bonzões, mas não super-heróis. E pelo que me lembro dos filmes anteriores, Dom não é um X-Men.

    O mesmo despropósito se repete no seguimento final. Outra perseguição movimentada que, desta vez, envolve avião cargueiro russo percorrendo uma pista de pouso que, a certa altura, o resquício de raciocínio lógico em nossas cabeças percebe como sendo a maior pista de pouso do mundo. Esses são apenas alguns dos muitos momentos totalmente disparatados da produção.

    Como não rir, por exemplo, quando Brian volta aos EUA, onde é procurado, infiltra-se numa prisão onde muitos querem matá-lo e volta a Londres com uma "preciosa" informação que não serve para absolutamente nada. Só para fazer rir. Por mais que se baixe o nível de expectativa diante desse tipo de filme, é difícil de engolir o que se vê na tela.



Deixe seu comentário
comments powered by Disqus