cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    VIZINHOS

    Absurda e exagerada, comédia abusa de piadas físicas
    Por Daniel Reininger
    16/06/2014

    Vizinhos é a nova comédia estrelada por Seth Rogen e dirigida por Nicholas Stoller (As Loucuras De Dick E Jane) e, acredite, consegue ser ainda mais absurda e exagerada do que a maioria dos trabalhos anteriores dos dois. O longa abusa de esquetes ridículas para arrancar risadas do público. Isso impede o filme de ter um arco minimamente coerente para a história e ainda o torna cansativo.

    Rogen e Rose Byrne são Mac e Kelly, jovem casal cujo bebê os fez trocar a vida agitada das baladas pelo ambiente calmo dos subúrbios. Os dois sofrem com as mudanças e tudo piora com a presença de uma fraternidade de universitários que se muda para a casa vizinha. No início, os pais tentam ser amigos dos jovens, ao mesmo tempo em que pedem para manterem o volume baixo nas festas, mas logo as coisas se complicam e começa uma guerra aberta.

    Quando o caos impera, o filme se transforma rapidamente em uma versão moderna de A Vingança Dos Nerds. Mac e Kelly estão perdendo e logo organizam um encontro com a reitora da universidade (Lisa Kudrow), que revela que a fraternidade poderá ser expulsa se tiver duas falhas disciplinares no ano. O casal então começa uma elaborada campanha de sabotagem, porém os universitários respondem na mesma moeda. E aí a comédia física reina livre.

    Do ponto de vista narrativo, há pouco a se aproveitar, como acontece em outro filme recente de Rogen: É O Fim. Nos dois casos, as situações improváveis e engraçadas importam mais do que qualquer coisa. Para piorar, o longa ainda conta com subtramas perdidas em meio à história principal. Muitas vezes, são abandonadas quaisquer pretensões de criar um arco dramático. Desta forma, o longa abusa das estranhezas apresentadas de forma frenética e sem sentido.

    Byrne se entrega ao papel com entusiasmo, mas é o ídolo teen Zac Efron, que aparece quase o filme todo sem camisa, que surpreende ao entregar a atuação mais intrigante do filme. Ele cria um tipo cheio de camadas, que vai do fiel amigo e honrado cavalheiro ao ápice do sadismo com muita facilidade. Na verdade, o personagem sente o peso do fim da faculdade e tenta lidar com isso como pode; o casal ao lado o lembra de como será seu futuro, agora mais próximo do que nunca, e ele não gosta nada dessa constatação.

    Em uma das melhores cenas do filme, Rogen e Efron se encontram em frente a uma loja da Abercrombie. Eles conversam como se não fossem inimigos e parecem reflexos distorcidos um do outro. Seria interessante a comédia aprofundar um pouco mais essa questão, mas o cineasta e os roteiristas não parecem nada interessados em examinar melhor alguns aspectos da história.

    Por incrível que pareça, Vizinhos é muito bem filmado, especialmente na hora das festas, as quais possuem tom surrealista. Entretanto, a falta de uma história coerente e algumas piadas sem graça podem tirar o clima até dos espectadores mais animados. Mesmo assim, as cenas de comédia física devem garantir boas risadas e, por isso, o longa é boa escolha para ver com os amigos, comendo pipoca enquanto esperam começar o próximo jogo da Copa.