cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    VLADO - TRINTA ANOS DEPOIS

    Por Livia Brasil
    22/05/2009

    Vladimir Herzog deveria fazer parte do conhecimento geral da população brasileira. Infelizmente, não é isso que acontece e são poucas as pessoas que já ouviram sua história. Em Vlado - 30 Anos Depois, o diretor João Batista de Andrade cumpre uma promessa que fez para si mesmo: mostrar ao Brasil a história deste jornalista tão importante. Com uma câmera na mão, o atual secretário da Cultura do Estado de São Paulo assumiu o papel de documentarista e, principalmente, amigo de Vlado - como ficou conhecido entre os mais íntimos.

    Vlado - 30 Anos Depois relata momentos marcantes de Vladimir Herzog até sua morte nos porões da ditadura, no dia 25 de outubro de 1975. Após três décadas, o caso ainda gera polêmica e o documentário esclarece fatos, até então desconhecidos, para muitos brasileiros e admiradores do jornalista. João Batista de Andrade costurou essa história por meio de depoimentos de amigos e familiares, entre eles Clarice Herzog, publicitária e esposa de Vlado.

    Além de falarem sobre Herzog, os relatos dos amigos contam como eram as torturas no DOI-CODI (órgão de repressão política do regime militar). Apesar de saber da situação pela qual passavam, Vlado recusou-se a fugir e se apresentou espontaneamente para um depoimento. Acabou sendo preso, interrogado, torturado e morto - não cometeu suicídio, como acabou sendo alegado pelos militares.

    Os closes feitos pelo cineasta em Vlado - 30 Anos Depois criam uma relação de intimidade entre o espectador e o depoente. O bate-papo informal faz com que os medos e os sofrimentos dos presos políticos contagiem a platéia.

    O documentário tem uma linguagem quase didática, mas prende pela riqueza de informação transmitida por grandes nomes como Fernando Morais, José Mindlin, o rabino Henry Sobel, D. Paulo Evaristo Arns e, principalmente, Clarice Herzog. Depoimentos fortes e envolventes garantem uma grande comoção do início ao fim.

    João Batista de Andrade diz que devia este documentário à memória do amigo, mas acabou indo além, ao mostrar a um País inteiro a importância da morte de um jornalista chamado Vladimir Herzog. Trinta anos se passaram, mas não há momento mais propício para escancarar a verdade para uma geração que desconhece o heroísmo de alguns e lembrar aos mais velhos que muitos morreram acreditando num futuro digno a um Brasil atado e amordaçado. Com certeza, devido ao momento político atual, é uma boa oportunidade para parar, pensar e acreditar que cada um pode fazer a diferença na construção de um país melhor.