cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    W.

    Por Celso Sabadin
    22/05/2009

    Lembra do combativo e polêmico cineasta Oliver Stone? Aquele que denunciou as mazelas do governo norte-americano em Platoon, Nascido em 4 de Julho e JFK - A Pergunta que Não Quer Calar? Pois é. Ele morreu. Não o homem Oliver Stone, mas a sua inquietação política. E talvez até o seu talento cinematográfico. Depois do fraco As Torres Gêmeas, de 2006, Stone retorna às telas ainda mais irreconhecível no morno W., cinebiografia do ex-presidente George W. Bush.

    A trajetória do biografado, por si só, já seria sinônimo de polêmica, denúncias, inquietação. Mas não neste filme. Em parceria com o roteirista Stanley Wiser (o mesmo de Wall Street - Poder e Cobiça, também dirigido por Stone), o cineasta apresenta uma narrativa sonolenta, verborrágica, pouco ou quase nada cinematográfica. E pior: o filme pinta Bush como uma vítima das circunstâncias. Pelo roteiro, George W. Bush (Josh Brolin, de Milk - A Voz da Igualdade, numa boa incorporação de personagem) foi um garoto mimado, de família rica, que sofria muito pelo fato de seu pai - o também presidente Bush - dar mais atenção ao irmão Jeb, que mais tarde se tornaria governador da Flórida.

    Para exorcizar todo este complexo de rejeição, George filho recorria ao álcool e às noitadas. Ô dó! Mais tarde, para provar ao pai que poderia ser um grande governante, invadiu o Iraque. Tal invasão - ainda de acordo com o filme - também teria sido apenas o ato de um presidente "vitimado" por maus assessores. A única "culpa" que o roteiro atribui a Bush é a ignorância. Se ele era arruaceiro e alcoólatra, o culpado foi seu pai injusto. Se ele lançou os EUA numa guerra insana, os culpados foram aqueles que o aconselharam a isso, principalmente o vice, Dick Cheney (Richard Dreyfuss).

    Difícil engolir premissas tão simplistas. Difícil se envolver por um filme de narrativa tão burocrática, com jeitão de minissérie de TV. Impossível aceitar a tese de "ingenuidade" de Bush que W. propõe. Que o talento de Oliver Stone ressuscite em seu próximo filme, um documentário sobre Hugo Chávez, atualmente em produção.