cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    ZOOTOPIA - ESSA CIDADE É O BICHO

    Disney entrega animação que funciona, mas não brilha
    Por Edu Fernandes
    03/03/2016

    No imaginário coletivo, a Disney sempre foi sinônimo de qualidade em animação, mas na virada do século apresentou uma safra sofrível com longas protagonizado por animais, como Irmão Urso (2003) e O Galinho Chicken Little (2005). Depois de uma recuperação no nível das produções, o estúdio volta a arriscar-se com personagem felpudos em Zootopia - Essa Cidade É Um Bicho.

    No mundo do filme, os mamíferos vivem em harmonia em uma metrópole dividida por habitats temáticos. Essa configuração urbana emula as grandes cidades estadunidense e não faz tanto sentido na sociedade brasileira miscigenada, apesar dos bairros-nicho como Liberdade e Bom Retiro em São Paulo, por exemplo. Por outro lado, essa formatação mais rígida e determinista é importante para o funcionamento da história a ser contada.

    Nessa sociedade, os postos policiais são reservados para animais grandes, até a chegada da coelha Judy Hopps (voz de Monica Iozzi, de Superpai) para romper com a tradição. Ela usa de sua inteligência e habilidade para passar com louvor pela academia, porém é designada para o nada glamoroso trabalho de fiscalizar vagas de automóveis em seu primeiro dia na corporação.

    A chance de verdadeira ação surge quando a heroína conhece o golpista Nick Wolfe (voz de Rodrigo Lombardi, de Amor Por Acaso). Depois de um desentendimento inicial, a dupla será obrigada a trabalhar juntos. Através dele, a policial poderá investigar um grande caso: o desaparecimento de predadores. É na solução do mistério que entendemos melhor o funcionamento da comunidade animal.

    Na jornada de Judy para provar seu valor, Zootopia transmite a típica mensagem Disney de acreditar nos sonhos. Na dinâmica ruidosa da coelha com a raposa residem as piadas de humor leve, em acordo com as diretrizes do estúdio. Com todo esse alinhamento, o longa funciona, mas carece daquele elemento intangível de brilhantismo que lhe conceda personalidade própria.

    Assim, Zootopia é um clássico exemplo de animação mediana que a Disney agora realiza. Por vezes, não chega a esse patamar, como em A Princesa e o Sapo (2009), e em outras oportunidades realmente consegue criar uma pequena joia, como Operação Big Hero (2014). O trabalho mais recente fica no meio do caminho, como Enrolados (2010).