Entrevista: Gal Gadot e Patty Jenkins falam sobre Mulher-Maravilha

"Mulher-Maravilha representa amor, verdade e compaixão", diz Gal Gadot

31/05/2017 14h00

Por Daniel Reininger

Mulher-maravilha chega aos cinemas na próxima quinta-feira (01) e já conquistou especialistas de todo o mundo e agora promete arrebatar também os fãs. O longa não é só o primeiro grande acerto da nova fase da DC Comics nos cinemas, é também o filme que a maior heroína dos quadrinhos merece. Para saber mais sobre esse filme, a diretora Patty Jenkins (Monster - Desejo Assassino) e Gal Gadot (Batman Vs Superman) falaram sobre a produção com exclusividade para o Cineclick.

Confira:

Os fãs esperaram tanto tempo por um filme da Mulher-Maravilha. Como é para vocês agora que o mundo inteiro está prestes a ver este filme?

Patty Jenkins: É impressionante para mim porque sou uma daquelas fãs que queriam ver um filme da Mulher-Maravilha há muito tempo. É tão emocionante que o mundo esteja prestes a vê-lo.

Gal Gadot: É incrível e desafiador. Fico muito agradecida porque é como se um sonho se tornasse realidade. Trabalhar neste projeto tem sido uma experiência fenomenal e agora com as reações e comentários que recebemos, estou super empolgada e muito, muito feliz.

Mulher-Maravilha



Muitos acreditam que o maior poder da Mulher Maravilha é a sua compaixão e isso é algo que você pode ter, mesmo que não seja uma Amazona. Você espera que as pessoas tirem essa lição do filme?

Gal Gadot: Uma das coisas que Patty e eu concordamos é que a Mulher-Maravilha representa amor, verdade e compaixão e é por isso que ela é mágica. Esse é um dos seus pontos fortes. Quando Patty e eu nos conhecemos, conversamos sobre nossas famílias e falei sobre o meu avô, que era um sobrevivente do Holocausto que me ensinou que "não importa quão sombria fique a vida, você precisa encontrar sua luz interior". Foi muito importante para nós duas que este filme tivesse uma mensagem com a qual todos pudessem se relacionar.

+ 15 coisas que você precisa saber sobre a heroína

Houve algum momento durante a produção em que você pensou que estava fazendo algo realmente especial e importante para o mundo de hoje?

Patty Jenkins: Queríamos fazer um grande filme sobre uma ótima Super-heróina - e o fato de eu ser uma mulher era algo secundário. Mas, é claro, estou honrada e surpresa com a posição na qual nos encontramos. Queríamos levar ao público não apenas a mensagem sobre todos poderem ser heróis para o mundo, mas também ajudar as pessoas a encontrar sua voz.

Gal Gadot: Mulher-Maravilha fala tanto com meninos quanto com meninas e com homens e mulheres, e é isso que mais amo sobre ela.

Patty, como você escolheu o personagem Doutora Veneno para ser uma das vilãs do filme?

Patty Jenkins: Em nosso filme, Mulher-Maravilha está conhecendo a humanidade pela primeira vez, então eu queria que ela experimentasse seus lados bons e ruins. Steve Trevor representa honra, coragem e a complexidade da humanidade. Doutora Veneno, interpretada por Elena Anaya, e o general Ludendorff, interpretado por Danny Huston, são exemplos da humanidade no seu pior. Mas eles não se veem como vilões. Todo vilão tem um sistema de crenças que faz todo o sentido para ele. Sobre Doutora Veneno, bem, Elena é uma atriz sutil e maravilhosa que só está interessada em trazer essa integridade à personagem. Ela e Danny criaram esse mundo entre eles, o que foi perfeito para um filme de super-heróis.

Confira a nossa crítica e veja o trailer: