O Vendedor de Passados : “O filme provoca”, diz Lázaro Ramos

Filme discute a importância da memória e da história de vida

19/05/2015 18h12

Por Edu Fernandes

Lázaro Ramos (Sorria, Você Está Sendo Filmado) tem uma carreira cinematográfica diversa. O mais recente trabalho traz mais variedade para o currículo do ator: ele vive o protagonista de O Vendedor De Passados, um homem que constrói falsas histórias de vida para seus clientes. A produção estreia em 21 de maio.

No longa, Vicente (Ramos) recebe uma nova e misteriosa cliente (Alinne Moraes, de Heleno). Ela encomenda um passado sem dar qualquer pista ao profissional, sua única exigência é que sua nova história de vida inclua um crime.

Por enquanto, o filme já colhe resultados positivos. Durante o CinePE 2015, Lázaro Ramos ganhou o prêmio de melhor ator. No evento pernambucano, ele concedeu entrevista exclusiva ao Cineclick sobre o filme.

Como foi trabalhar com Alinne Moraes? Vocês tiveram espaço para improviso?

A gente participou bastante nos ensaios. Queríamos fazer aproximações, sugerir falas e cenas. A gente não queria falar de uma história de amor de forma piegas, mas que fazia sentido. Apesar de Alinne ser bonita e estonteante, ela tem um passado muito forte. Há opções na atuação dela que vêm dessa memória.

O Vendedor de Passados

 


O Vendedor de Passados parece um piloto de um seriado. Você concorda?

Tem roteiro para isso porque o filme traz temas que cabem em uma série. O tema da memória dá para falar mais. As implicações de quando você se envolve com cliente e a questão de como mascaramos os nossos traços físicos são outros assuntos que rendem. Isso acontece porque o filme provoca e oferece ao público um trabalho posterior de reflexão. Então, os temas têm continuidade.


O sucesso das comédias é inegável no cinema nacional. Qual o desafio para um título de outro gênero?

O grande desafio é manter o público conquistado pelas comédias e descobrir como fazer público para esses novos filmes. Além disso, a gente precisa considerar outras plataformas, não só o lançamento tradicional em cinema. Por isso, as produtoras estão cada vez mais investindo em filmes que estejam fora da cartilha.

O Vendedor de Passados

 


Você pretende dirigir um filme em breve. Seu papel de produtor em O Vendedor de Passados tem ajudado? 

Eu fui a reuniões com a distribuidora, exatamente para entender o mercado, como funciona a decisão de quais salas exibir o filme, como produzir um bom trailer. Tudo isso é aprendizado.


Como está seu projeto de estreia como diretor?

É um processo que já tem quatro anos e agora está na mão do roteirista. Não posso dizer muito, mas será um filme urbano multigênero. Eu pretendo ir para o ser com ele em 2016.


Você vai atuar nele?

Você tá louco? (risos). Não tenho concentração para isso, não! Não sou o Selton Mello.

Assista ao trailer de O Vendedor de Passados: