Pantera Negra: Há certo mistério no personagem, diz Chadwick Boseman

Ator comenta os desafios de viver o personagem

27/04/2016 16h07 (Atualizado em 29/08/2020 00h04)

Por Iara Vasconcelos

Capitão América: Guerra Civil apresentou Pantera Negra (Chadwick Boseman). O príncipe T'Challa de Wakanda é um dos personagens mais complexos do filme e não abandona as tradições de sua terra natal, se mostrando um verdadeiro guerreiro honrado.

[Atualizado 29/08] Relembre nossa entrevista com o ator, após sua morte.

Pantera Negra é o protetor do recluso país africanos a gerações e seu manto é passado de guerreiro para guerreiro. O herói acaba se envolvendo na Guerra Civil após um atentado terrorista mudar para sempre sua vida.

Em entrevista exclusiva ao Cineclick, Boseman fala sobre os desafios de viver o personagem em Guerra Civil, além de contar um pouco mais sobre sua preparação.

Confira a entrevista:

Qual foi a sua reação quando você descobriu que faria parte dessa nova franquia da Marvel?

Chadwick Boseman: Recebi um telefonema do Kevin Feige, dos Russos e do Nate Moore e basicamente o Kevin me perguntou se eu estaria interessado em interpretar o Pantera Negra, por que eles o estão trazendo para o Universo Cinematográfico da Marvel. Disse que sim, eu adoraria. Foi simples assim. Analisei alguns motivos do porquê achei que seria muito legal que o mundo tivesse isso, não apenas o universo Marvel. A partir desse momento me senti como se fosse algo que eu devesse fazer. Acho que é isso que estamos sempre buscando como ator.
 

O que o personagem tem que fez você sentir tanto essa conexão?

Chadwick Boseman: Ele é um paradoxo. Quando você lê o material de diversos escritores, você vê as possibilidades que estão lá junto com o que foi fornecido. Existe um conflito interno pois ele está é muito conectado às suas tradições. Ainda assim, ele é um visionário, um dissidente. Ele é bastante estratégico. Nunca se sabe ao certo qual será seu próximo passo, então há certo mistério em relação ao personagem. Ao mesmo tempo, ele é uma figura pública. Conhecido por todos, mas desconhecido de todos.


Fale sobre o que está acontecendo com esse personagem no filme.

Chadwick Boseman: Como ocorreram muitos desastres e tragédias enquanto super-heróis lutavam contra vilões, foi pedido aos super-heróis que registrassem suas identidades. Cidadãos inocentes de Wakanda são mortos em um desses incidentes, então o pai de T'Challa, T'Chaka, se une aqueles a favor desse registro no Tratado de Sokovia.
O negócio em relação a T'Challa nesse filme é que ele tem seus próprios planos e seu próprio mundo que ele tem que proteger. Ele tem que se manter a altura de sua própria linhagem, então ele não pode simplesmente aceitar as ordens dadas pelo Homem de Ferro. Ele não pode simplesmente acatar as ordens do Capitão.

É divertido também interpretar enredos bem fundamentados junto com a ação?

Chadwick Boseman: A luta não quer dizer nada sem o motivo para lutar. Se você retirar isso do filme e falar sobre esportes, lutas, boxe ou UFC, ou seja lá o que for que você acompanha, a luta não significa muito até você ver qual a história do lutador e então passar a acompanhá-lo. Esse filme é na verdade sobre relacionamentos; família, amigos. Não são apenas super-heróis lutando. Você se sente conectado como se isso de alguma forma pudesse acontecer, por que o conflito parte dos relacionamentos. É uma luta entre amigos. Batalhas entre pessoas que têm uma união e uma aliança sempre serão mais pesadas emocionalmente.

Como foi sua preparação para dar vida ao Pantera Negra?

Chadwick Boseman: Queria ser o mais verdadeiro possível em relação às histórias em quadrinhos, por que é um personagem que as pessoas têm esperado para ver. Isso dito, as histórias em quadrinhos fazem alusão a histórias tribais de verdade, civilizações africanas e história e política mundial de onde você pode tirar algumas conclusões.
O personagem e o mundo de onde ele veio inspiram você a buscar reinos, guerreiros e reis históricos, especialmente aqueles de civilizações africanas. Isso é parte da diversão do papel para mim. Você também quer basear o personagem em algo tangível e real. Falar com pessoas da África, escutar as pessoas do continente. E depois houve com certeza muita preparação física para o papel.

Pantera Negra


Qual a posição de T'Challa/Pantera Negra em relação ao conflito e o que ele pensa sobre os Vingadores?

Chadwick Boseman: No que tange os Vingadores, eles são um meio para um objetivo a ser alcançado por T'Challa. Acho que eles conquistam o seu respeito no final do filme, mas antes disso juntar-se a eles não é algo que ele nem ao menos comece a considerar. Ele tem seus próprios planos, não está realmente escolhendo um lado.


O que você gostou em relação ao seu figurino?

Chadwick Boseman: Ele é composto de tantas coisas de diferentes tipos de guerreiros e eras. Você
percebe com certeza aspectos africanos em alguns ornamentos. Com outro olhar você vê uma armadura medieval. Ou você vê aspectos do ninja também. Adoro o fato de que quando você está no figurino, ele o leva a outra realidade imediatamente.


Chadwick Boseman:
A máscara e as botas são o mais importante. A máscara é transformadora. Mas é nos pés que está o negócio. As botas especiais fazem você sentir que está caminhando, mas que ninguém pode ouvi-lo. Isso imediatamente te dá a base e faz com que o resto funcione.
Como você se sente quando está no figurino?


O que se passou em sua mente na primeira vez que você vestiu seu traje?

Chadwick Boseman: A primeira coisa foi que eu fiquei pensando se crianças iriam tentar se vestir dessa forma no Dia das Bruxas. É literalmente a primeira coisa que pensei. É preto e no Dia das Bruxas qualquer coisa preta vende muito bem. É algo que ainda vamos ver se é verdade ou não, mas acredito que vai ser uma daquelas fantasias que vai arrebentar.


Chadwick Boseman:
Foi uma loucura. Mas ver isso na tela será uma das cenas de batalha mais empolgantes já feitas na história.Como foi ver todos aqueles super-heróis juntos naquela pista?
 

Você fez algum treinamento de dublê?

Chadwick Boseman: Com certeza. Trouxe também o meu próprio treinador pra me dar uma dura todos os dias.


Você se divertiu nas cenas de ação? 

Chadwick Boseman: Sempre gosto da parte física. Passar pelo processo de treinamento me ajuda a entrar nas outras partes do personagem também, então mesmo que eu não tenha um papel que use mais o físico eu encontro alguma maneira de me envolver fisicamente. Essa parte física me ajuda. Alguns atores trabalham de dentro pra fora e outros de fora pra dentro. Faço as duas coisas, mas há dias que simplesmente é mais difícil trabalhar de dentro pra fora, então você pega de fora pra dentro e volta a sair novamente, isso me ajuda a fazer isso.

Como foi entrar nessa família Marvel?

Chadwick Boseman: Todos encontraram sua própria maneira de me acolher em seu meio, seja simplesmente me puxando de lado ou dizendo, "vamos comer algo", ou "vamos lá em casa", ou o que for.

Como é trabalhar com Robert Downey Jr.?

Chadwick Boseman: Ele é demais. Tipo, quero ser que nem ele quando eu crescer. Como ator você tem o seu processo, e agora estou falando puramente sobre atuar, e tem as coisas que você faz. Você vê alguém como ele que já realizou tantas coisas, e ainda se importa muito com sua arte para atuar. É ótimo saber que você está no caminho certo. Ver a confirmação de outras pessoas ao seu redor em certos momentos também sem nem mesmo dizer nada mostra que ele é um líder. Daí você o vê fora do set e ele é mais legal ainda.

Pantera Negra


O que torna o Chris Evans um ótimo Capitão América?

Chadwick Boseman: Em parte é o seu senso de humor quando a câmera está desligada por que deixa todos à vontade. Ele é exatamente o oposto quando a câmera está ligada, mas ele tem os seus momentos em que o humor se sobressai também. Ele não tem medo de fazer graça de si mesmo. Seu personagem poderia ser sério demais, mas ele se permite ser vulnerável e se permite não levar tudo tão a sério. Faz com que você ame o personagem e faz com que as pessoas queiram acompanha-lo por que ele não é perfeito.


É divertido trabalhar com os irmãos Russo?

Chadwick Boseman: É ótimo. Eles não deixam passar nada. É como se eles estivessem em sincronia mesmo sem falar um com o outro. Eles trazem certa vantagem a esses filmes, o que eu adoro. É bom fazer parte disso.
 

Com o que você acha que os fãs vão ficar mais empolgados nesse filme?

Chadwick Boseman: Adoro o fato que o público pode ver os dois lado do argumento e que não há um herói de verdade. A beleza disso é que não é uma história perfeita. Não é uma história típica em que o herói fica com a garota e parte em direção ao por de sol e tudo se encerra. O enredo todo é imperfeito e nada fica completamente resolvido. Ele segue em frente, e isso vai manter a plateia ligada.
 

O que você mais gostou nos personagens e o que achou da sua primeira experiência no Universo Cinematográfico da Marvel?
Chadwick Boseman: Foi intenso e houve pressão, mas eu gosto dessa pressão. Adoro também o fato de que eu pude entrar aos poucos nesse mundo e ver como outras pessoas lidam com ele. Adorei ver cada pessoa trabalhar e ver como cada um é diferente.


Você acredita que isso o preparou para fazer o restante da franquia?

Chadwick Boseman: Com certeza me forneceu as perguntas certas e é disso que se trata pra mim – um quebra-cabeças para ser resolvido. Isso me deu uma ideia de como deve ser o tom e o estilo do personagem.


Em relação à parte física, o que você precisou fazer para se preparar?

Chadwick Boseman: Fiz treinamento de artes marciais e um pouco de treinamento de lutas com dublês também e com certeza um pouco de musculação. Também fiz um pouco de Kali e Capoeira. Fizemos um pouco de Jiu Jitsu e algumas outras coisas.


Se o Pantera Negra estivesse indo para uma luta e tivesse que pegar um dos caras desse filme, quem ele escolheria?

Chadwick Boseman: Não vou escolher um dos caras. Escolheria a Feiticeira Escarlate ou a Viúva Negra.

Capitão América: Guerra Civil é um dos maiores sucesso da Marvel. Assista ao trailer: