Pôster A Verdadeira História de Ned Kelly

A VERDADEIRA HISTÓRIA DE NED KELLY

(True History of the Kelly Gang)

2019 , 124 MIN.

16 anos

Gênero: Drama

Estréia: 22/10/2020

página inicial do filme
  • Ficha técnica

    Direção

    • Justin Kurzel

    Equipe técnica

    Roteiro: Peter Carey, Shaun Grant

    Produção: Justin Kurzel, Liz Watts, Paul Ranford

    Fotografia: Ari Wegner

    Trilha Sonora: Jed Kurzel

    Estúdio: Daybreak Pictures, Film Victoria, Film4, Porchlight Films

    Montador: Nick Fenton

    Distribuidora: A2 Filmes

    Elenco

    Amy Christian, Asmara Feik, Ben Corbett, Charlie Hunnam, Earl Cave, Essie Davis, George MacKay, Harry Greenwood, Jacob Collins-Levy, James Ao, Jessica Borg, Josephine Blazier, Louis Hewison, Marlon Williams, Nicholas Hoult, Orlando Schwerdt, Russell Crowe, Sarah Bedak, Sean Keenan, Thomasin McKenzie

  • Crítica

    21/10/2020 12h10

    Por Daniel Reininger

    Com elenco estrelado, o faroeste do diretor Justin Kurzel (Macbeth: Ambição E Guerra) brinca com fatos para apresentar uma suposta verdade sobre a lenda Australiana Ned Kelly. O irlandês católico se tornou um fora-da-lei no século 19 conhecido como o Robin Hood do país, afinal, ele e sua gangue lutaram contra domínio colonial britânico em nome dos pobres.

    A lenda desse criminoso, que morreu enforcado em 1880 aos 25 anos, só cresceu desde então. Presente em canções, histórias, filmes, pinturas, programas de TV, selos postais, se tornou um ícone pop na Austrália e sua imagem foi usada até durante a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Verão de 2000, em Sydney.

    Os detalhes da vida de Kelly são escassos, mas Kurzel, o diretor australiano obcecado por violência, se baseou no romance de mesmo nome, lançado em 2001 por Peter Carey, para mostrar a vida do revolucionário de maneira surrealista e visceral.

    O filme não foca nas atividades ilegais de Kelly, mas subverte a lenda ao apresentar um contexto de abuso na infância do rapaz, com uma mãe tóxica e uma figura paterna disfuncional. O cineasta usa tudo isso e mistura com uma energia punk anarquista para criar um conto brutal, ambientado em uma paisagem desolada, repleto de personagens decadentes.

    Interpretado com grande intensidade por George MacKay, o astro de 1917, Kelly mostra grande inteligência e um senso claro do que é certo e errado. Ele foi levado a situações extremas por acontecimentos além de seu controle, muitos deles injustiças cometidas por oficiais britânicos. MacKay convence ao entregar essa ambiguidade e ao mostrar o sofrimento e determinação do protagonista a cada etapa de sua angustiante luta contra o sistema, enquanto, paralelamente, afunda na loucura.

    Essie Davis (Game of Thrones) vive a mãe aterrorizante e manipuladora de Kelly, em uma atuação magnífica. Ela serve de combustível para a maioria das situações em que o jovem bandido se mete. Russel Crowe (Gladiador) aparece pouco, mas bem como Harry Power, homem que ensinou Kelly a lutar, roubar e a contar sua própria história. Charlie Hunnam (Magnatas Do Crime), Thomasin McKenzie (Jojo Rabbit) e Nicholas Hoult (X-men: Primeira Classe) também funcionam como ótimos coadjuvantes.

    Cada elemento da narrativa, como personagens, o uso de vestidos pelos criminosos, até o estilo de filmagem, procura justificar as ações do criminoso ao tratar de suas motivações, ambiguidades e conflitos, até chegarmos ao combate final com os soldados da coroa inglesa, filmado como um pesadelo psicodélico desorientador para causar o máximo de incômodo visual.

    Impactante, o faroeste subverte a lenda com narrativa surreal. A ideia do diretor foi deixar de lado a história padrão e trazer algo transgressor para as telas. Por isso, A Verdadeira História De Ned Kelly é um espetáculo brilhante e fascinante, mas muitas vezes redundante e cansativo, incapaz de manter narrativa coesa do início ao fim. Em sua estranheza, se torna cativante a ponto de ser impossível parar de ver a ruína daquelas vidas a cada decisão. É inegável seu impacto, um filme que realmente acompanha o espectador após os créditos finais.



Deixe seu comentário
comments powered by Disqus