Animações: como a adaptação vai muito além da fantasia

Animações no cinema!

05/10/2020 12h35

Live action pode ser definido como produção que envolve pessoas e animais reais. Já a animação, por sua vez, é definida como uma série de imagens em movimento, desenhadas, modeladas ou geradas por computador.

Com o desenvolvimento da tecnologia, as produções audiovisuais passaram a misturar as duas técnicas, a fim de criarem sequências, cenários e seres que não existem no mundo real, ou que são muito difíceis de serem desenvolvidos de maneiras tradicionais.

Porém, o termo está em evidência principalmente graças à Disney, cujos lançamentos mais recentes incluem live actions de algumas de suas obras mais célebres.

Essa nova safra é baseada nas antigas animações, que permitiam aos artistas envolvidos imprimirem sua própria assinatura e estilo nos personagens, algo que está presente na Disney desde a época dos "Nove Anciões", apelido dado ao grupo de animadores que inaugurou as atividades do estúdio em 1932.

Hoje, com "Aladdin", "Mulan", "A Bela e a Fera", "A Pequena Sereia", dentre outros, o desafio é preservar o encantamento das animações enquanto explora as dimensões de um novo formato, recheado de atores querido pelo público - ou de novas estrelas em ascensão.

Mas adaptações do tipo não são novidade de agora. Na lista a seguir, falamos um pouco sobre essa nova onda da Disney e rememoramos outras adaptações que seguiram o mesmo desafio alguns anos atrás. Acompanhe!

Animações da Disney

Malévola (2014-2019)

Malévola foi concebida como a "senhora de todo o mal" e, desde 1959, reinava como a mais cruel e poderosa das vilãs da Disney.

Em 2014, porém, o estúdio decidiu mudar a perspectiva da história. Seu nome podia evocar a crueldade da feiticeira tida como vilã, condenando uma bela princesa ao sono eterno, mas sua verdadeira história não era assim tão maniqueísta.

Estrelado por Angelina Jolie e Elle Fanning, os dois novos longas (Malévola e Malévola - Dona Do Mal, 2014 e 2019 respectivamente) contam a história pelo olhar da vilã de "A Bela Adormecida" (1959), justificando suas ações.

Cinderela (2015)

Com direção de Kenneth Branagh, a versão live action (2015) da animação de 1950 se manteve fiel ao desenho. Com Lily James no papel principal, Richard Madden como o príncipe encantado, Helena Bonham Carter como a Fada-Madrinha e Cate Blanchett como a Madrasta Má, o longa arrecadou US$ 543 milhões mundialmente.

Na pele da atriz, Cinderela é tão bela, gentil e justa quanto a princesa da animação. O filme apenas redimensiona a sua história, a tornando mais humana em um mundo surreal.

Mogli - O Menino Lobo (2016)

Quando o projeto foi anunciado, muita gente duvidou que Jon Favreau fosse conseguir dar vida aos animais da história de Rudyard Kipling. O resultado final, porém, foi uma surpresa de público (US$ 965 milhões arrecadados mundialmente) e de crítica. O sucesso garantiu um projeto de sequência e fez com que a Disney desse o sinal verde para o remake de um dos seus maiores sucessos na animação: O Rei Leão.

Ao mesmo tempo em que "Mogli - O Menino Lobo" (2016) é um típico filme da Disney com alto índice de fofura, potencializado pela concentrações de filhotes e pequenos animais criados em computação gráfica, a nova adaptação ao cinema do clássico livro de Rudyard Kipling não se furta a lidar com o senso de perigo e o potencial de violência da vida na selva.

Nesse sentido, é um longa que se filia à tradição das melhores animações da chamada era de ouro da Disney, dos anos 1940 a 1950, como Dumbo e Cinderela, que misturavam encantamento com o pavor do isolamento e da perseguição.

A Bela E A Fera (2017)

"A Bela e a Fera" (2017), dirigido por Bill Condon, mantém a estrutura de musical com as canções criadas por Alan Menken para a animação de 1991, além de apresentar novidades.

Estrelado por Emma Watson (Bela), Dan Stevens (Fera), Kevin Kline (Maurice), Ian McKellen (Cogsworth), Gugu Mbatha-Raw (Plumette) e Ewan McGregor (Lumiere), é um longa mais apegado às origens, pensando na expectativa de uma geração que cresceu vendo e revendo a mesma história.

Com 45 minutos a mais, o filme expande a trama e dá consistência aos seus personagens com um elenco certeiro.

Aladdin (2019)

Uma das principais diferenças à obra original, com certeza, é em relação à personalidade da princesa Jasmine. Assim como na animação, a Jasmine do filme de 2019 é prisioneira de sua posição como filha do Sultão e só pode se casar com um príncipe.

Mas além disso, a nova versão da personagem possui aspirações políticas e é mais forte e empoderada, quando comparada com a princesa do desenho. Jasmine sabe o quer e não precisa de príncipe nenhum para ser feliz.

No desenho, a história começa sendo narrada por um comerciante. Já no filme, os roteiristas optaram por colocar o Gênio, agora interpretado por Will Smith, como narrador. Um ponto curioso é que no desenho quem fez a voz do comerciante foi Robin Williams, que também dublou o Gênio.

Outras animações de destaque

Os Flintstones - I Yabba Dabba Do! (1994)

Estrelado por John Goodman como Fred Flintstone, Rick Moranis como Barney Rubble, Elizabeth Perkins como Wilma Flintstone, e Rosie O'Donnell como Betty Rubble, 'Os Flintstones – O Filme' chegou aos cinemas no dia 27 de maio de 1994. Com uma arrecadação mundial de US$ 341 milhões, a produção saiu lucrando, já que o orçamento foi de US$ 46 milhões – apesar da crítica negativa dos especialistas.

Na história, Fred consegue o cargo de vice-presidente da Pedregulho & Cia, após um teste realizado pelo executivo Cliff Vandercave (Kyle MacLachlan) e sua secretária. Porém o plano é usá-lo como bode expiatório para um grande esquema de fraude. A riqueza dos Flintstones causa o fim da amizade com os Rubbles, mas quando Fred e Wilma são acusados da corrupção causada por Vandercave, são Barney e Betty que correm atrás para salvar os vizinhos.

Scooby-doo (2002)

Scooby-Doo ganhou um live action em 2002 dada sua merecidíssima e imortal fama desde que a primeira animação do hilário e guloso personagem canino e sua turma de investigadores humanos surgiu nas telinhas americanas em 1969. Entra em cena, então, James Gunn em apenas seu terceiro roteiro de longa cinematográfico , muito antes de sequer chegar perto da cadeira de diretor.

O resultado é um esforço sem dúvida cheio de coração e apelo nostálgico, mas que não é muito mais do que um episódio da série animada esticado para 86 minutos, com o agravante de trair a premissa de que as ameaças enfrentadas pela turma do Mystery Inc. nunca é efetivamente sobrenatural.

O filme sem dúvida ganha pontos por caracterizar muito bem os personagens principais e por usar uma exacerbação de suas características pessoais para separar a equipe logo no início, transformando o restante da projeção, que se passa dois anos depois de cada um seguir para seu lado, em uma narrativa que tem como objetivo juntá-los mais uma vez, obviamente.

Garfield, O Filme (2004)

"Garfield", uma das tirinhas mais conhecidas do mundo e que conta as histórias do gato preguiçoso e que ama lasanha, foi adaptada e chegou aos cinemas com atores e tudo mais.

Vivendo a vida que sempre quis, Garfield é incomodado quando seu dono, Jon Arbuckle (Breckin Meyer), decide adotar um cachorro, Odie. Contrariado, ele inicia uma disputa particular com Odie, mas quando esse é sequestrado, Garfield se sente responsável e parte para salvar o cachorro.

Pica-pau (2017)

O filme live action de Pica-Pau, lançado em 2017, pela fama que o personagem tem em solo brasileiro, saiu apenas nos cinemas daqui - para o restante do mundo, o longa saiu diretamente em DVD. A produção conta a história do protagonista procurando confusões com um empresário que deseja derrubar uma árvore, sua própria casa, para construir uma mansão.

Turma da Mônica (2018-2020)

A Turma da Mônica já tem diversos filmes animados, mas em Turma Da Mônica - Laços foi a primeira vez em os personagens criados por Maurício de Souza aparecem representados por atores.

Na trama, Floquinho, o cachorro de Cebolinha (Kevin Vechiatto), desapareceu. O menino desenvolve então um plano infalível para resgatar o cãozinho, mas para isso vai precisar da ajuda de seus fiéis amigos Mônica (Giulia Benite), Magali (Laura Rauseo) e Cascão (Gabriel Moreira). Ainda há uma continuação prevista para esse ano, 2020, intitulada Turma Da Mônica - Lições.

Quer conhecer outras adaptações para o cinema? Não perca nosso texto especial sobre o tema: "Adaptações para o cinema: livros, quadrinhos, videogames e animações"!


Deixe seu comentário
comments powered by Disqus