cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    Argentina e Brasil encerram a Mostra Competitiva

    Por Da Redação
    05/08/2000

    Celso Sabadin, de Gramado, especial para o Cineclick

    Os filmes "O Mesmo Amor, a Mesma Chuva" (da Argentina) e "Eu Não Conhecia Tururu" (do Brasil) encerraram ontem à noite a Mostra Competitiva de longas-metragens do 28o. Festival de Cinema de Gramado.
    O filme argentino justifica seu título romântico: ele é terno, carinhoso, envolvente e - claro - muito romântico. Tudo gira em torno das indas e vindas amorosas do escritor Jorge e da garçonete Laura, durante 20 anos. São encontros, desentendimentos, sonhos, decepções, tudo com uma linguagem ágil e diálogos inteligentes. Em determinados momentos, lembra o nosso "Pequeno Dicinário Amoroso", embora cinematograficamente falando o argentino seja superior. Pode não ser exatamente aquilo que se convencionou chamar de "filme de festival", ou seja, algo que proponha novas reflexões tanto formais quanto estéticas. Mas, sem dúvida, é mais um belo trabalho que poderia - e até deveria - estrear com sucesso no circuito comercial brasileiro.

    Já "Eu Não Conhecia Tururu", estréia na direção da atriz cearense Florinda Bolkan, não teve a mesma sorte. Com um roteiro mal amarrado, o filme conta a história de três irmãs que se reencontram em Fortaleza, para a festa de casamento de uma quarta irmã. São cinco personagens principais (mãe e quatro filhas), cada qual com sua história particular para contar. E é aí que o filme escorrega: se contar uma boa história já não é fácil, quanto mais cinco. E para uma estreante! O filme é um apanhado de boas intenções interpretadas por ótimas atrizes, mas sem um bom roteiro que amarre tudo isso.

    Exibidos todos os filmes, agora o Festival vive um clima de expectativa pela festa de logo mais à noite, quando finalmente serão conhecidos os vencedores dos Kikitos. Previsões ? Nem pensar! Nos onze anos que eu pessoalmente acompanho este Festival, já vi as premiações mais injustas e absurdas possíveis. Só posso adiantar os meus preferidos: Na categoria longa-metragem, "Quase Nada" e "Santitos". Na categoria curtas, "Passadouro" e "Tepê".

    Agora, é esperar para conferir.