Astros e produções que migraram da TV para o cinema

Mesmo no país das novelas, há quem tenha alcançado o auge trabalhando no cinema nacional e internacional

30/06/2020 12h00

Mesmo no país das novelas, há quem tenha alcançado o auge trabalhando no cinema nacional e internacional. Abaixo, listamos alguns exemplos:

Wagner Moura


Esse é um exemplo clássico. Embora tenha participado de várias novelas, como "A Lua me Disse" (2005) e "Paraíso Tropical" (2007), os grandes trabalhos do ator foram no cinema: além de interpretar o icônico Capitão Nascimento na franquia "Tropa De Elite" (2007 e 2010), também participou de produções de peso como "O Caminho Das Nuvens" (2003), "Deus É Brasileiro" (2003) e "Elysium" (2013).

Rodrigo Santoro


Depois de fazer sucesso na pele de Diogo, na novela "Mulheres Apaixonadas" (2003), Rodrigo Santoro resolveu investir em sua carreira internacional. Em Hollywood, já participou de produções como "300" (2007), "O que se Espera Enquanto se Está à Espera" (2012) e "Simplesmente Amor" (2003). Por aqui, já participou de filmes como "Heleno" (2012), "Carandiru" (2003) e "A Dona Da História" (2004).

Júlia Rabello


A Úrsula, da novela "A Regra do Jogo" (2015), é só uma das dezenas de personagens da atriz Júlia Rabello. Antes de estrelar no romance, ela fez parte de filmes como "Os Homens São De Marte... E É Pra Lá Que Eu Vou" (2014), "Copa De Elite" (2014) e "A Noite Da Virada" (2014).

Selton Mello


Selton Mello, depois de participar de novelas como "Sinhá Moça" (1986) e "Retrato Falado" (2000), teve participações emblemáticas em longas como "O Palhaço" (2011), "A Mulher Invisível" (2009) e "Meu Nome Não É Johnny" (2008).

Ingrid Guimarães


Ingrid Guimarães, depois de estrelar "Kubanacan" (2003) e "Sob Nova Direção" (2004-07), participou de filmes de sucesso como "De Pernas Pro Ar 1, 2 e 3" (2010, 2012 e 2019) e "Loucas Pra Casar" (2015).

Fernanda Montenegro


Fernanda Montenegro, referenciada como a dama do teatro e figurinha carimbada em inúmeras novelas, tais quais "Sassaricando" (1987) e "Celebridade" (2003), é também uma das mais aclamadas atrizes da história do cinema brasileiro. Em 1999, tornou-se a primeira artista latino-americana e única brasileira, atuando em língua portuguesa, indicada ao Oscar de Melhor Atriz com "Central Do Brasil". Pelo papel, recebeu o Urso de Prata, no Festival de Berlim de 1998. Outro título que carrega é de ser a primeira brasileira a receber o Emmy Internacional de Melhor Atriz por "Doce de Mãe", em 2013.

Xuxa


Conhecida como "Rainha dos Baixinhos", Xuxa construiu o maior império de entretenimento infantojuvenil do Brasil.
Na década de 1980, apresentou na Rede Globo o programa diário "Xou da Xuxa"; e em paralelo, desenvolveu o "Bobeu, Dançou". Na década seguinte, comandou diversos programas, tais quais o "Paradão da Xuxa"; "El Show de Xuxa", na TV Argentina; "Xuxa Park", na Espanha (e no Brasil, nos anos 2000); "Planeta Xuxa"; e posteriormente um homônimo do "Xou da Xuxa", intitulado "Xuxa". No novo milênio, esteve à frente do "Xuxa Hits"; "Xuxa no Mundo da Imaginação"; "TV Xuxa"; e "Xuxa Meneghel", agora de casa nova: a TV Record.

Mas a apresentadora também fez imenso sucesso no cinema, se consagrando nas telonas com sua própria franquia. Ela participou de longas como:

- "Amor Estranho Amor" (1982);
- "Fuscão Preto" (1983);
- "O Trapalhão Na Arca De Noé" (1983);
- "Os Trapalhões E O Mágico De Oroz" (1984);
- "Os Trapalhões No Reino Da Fantasia" (1985);
- "Super Xuxa Contra O Baixo Astral" (1988);
- "A Princesa Xuxa E Os Trapalhões" (1989);
- "Lua De Cristal" (1990);
- "Xuxa Requebra" (1999);
- "Xuxa Pop Star" (2000);
- "Xuxa E Os Duendes 1 e 2" (2001 e 2002);
- "Xuxa Abracadabra" (2003);
- "Xuxa E O Tesouro Da Cidade Perdida" (2004);
- "Xuxinha E Guto Contra Os Monstros Do Espaço" (2005);
- "Xuxa Gêmeas" (2006);
- "Xuxa Em Sonho De Menina" (2007);
- "Xuxa Em O Mistério De Feiurinha" (2009);
- "Porta Dos Fundos - Contrato Vitalício" (2016).

Trapalhões


O programa, comandado por Didi Mocó (Renato Aragão), Dedé (Manfried Sant'Anna), Mussum (Antônio Carlos Bernardes Gomes) e Zacarias (Mauro Faccio Gonçalves) era formulado por várias cenas de alguns minutos, em que tomavam parte situações cômicas dos protagonistas, às vezes com um deles, dois, três ou mesmo com os quatro Trapalhões juntos. Os assuntos das cenas eram, por exemplo, os Trapalhões se opondo a inimigos - ou a si mesmos - em disputas, nas quais Didi e qualquer um dos três Trapalhões que estivessem do lado dele saíam vitoriosos em quase todas as vezes; eles pregando peças em outras pessoas e até em si mesmos; e os quatro cooperando para chegar a um objetivo comum.

Sua estreia na televisão ocorreu em 1966, na TV Excelsior; ainda teve uma rápida passagem em 1972 na TV Record, sob a chancela de Os Insociáveis; mas foi em 1975, que o grupo retomou o nome Os Trapalhões e começou a ser veiculado na Rede Tupi. Ao atravessar problemas financeiros, em 1977 foram parar na Rede Globo, emissora a qual tiveram maior êxito e duração. Um dos maiores fenômenos de popularidade e audiência no Brasil em toda a história, Os Trapalhões entrou para o Livro Guinness de Recordes Mundiais como o programa humorístico de maior duração da televisão, com trinta anos de exibição.

No cinema, o primeiro filme foi realizado em 1966 e contava apenas com a dupla Didi e Dedé. Com a formação clássica (que contava ainda com Mussum e Zacarias) foram realizados vinte e três filmes, entre 1978 e 1990. Sete filmes marcaram gerações e merecem destaque. São eles: "Os Trapalhões nas Minas do Rei Salomão" (1977); "Os Trapalhões Na Guerra Dos Planetas" (1978); "O Cinderelo Trapalhão" (1979); "Os Saltimbancos Trapalhões" (1981); "Os Trapalhões Na Serra Pelada" (1982); "Os Vagabundos Trapalhões" (1982); e "O Casamento Dos Trapalhões" (1988).

Angélica


A apresentadora começou na televisão aos 13 anos, na Rede Manchete, onde comandou os programas "Clube da Criança" (1987) e "Milk Shake" (1988); e participou da minissérie "O Guarani" (1991). O Grupo Manchete foi vendido e Angélica foi parar no SBT, estreando em 1993 o programa "Casa da Angélica"; em 1995, passou a substituir Gugu no "Passa ou Repassa" e na "TV Animal". O sucesso entre o público adolescente à levou para a Rede Globo, a qual apresentou "Angel Mix" (1996) e protagonizou a novela infantil "Caça Talentos". Em 1999, estreou o "Angel Mix Férias" e "Flora Encantada", mas foi nos anos 2000 mesmo que explodiu como âncora da "TV Globinho", "Vídeo Show" e "Estrelas".

No cinema, estreou em 1988 no filme "Heróis Trapalhões, Uma Aventura na Selva"; e no ano seguinte, participou de "Os Trapalhões Na Terra Dos Monstros". Na década de 1990, atuou em "Uma Escola Atrapalhada" (1990); "Simão, O Fantasma Trapalhão" (1998); e "Zoando Na Tv" (1998). No novo milênio, participou de "Xuxa E Os Duendes" (2001); "Um Show De Verão" (2004); e "Xuxa Em O Mistério De Feiurinha" (2009).

Agora que passeamos pelos astros, vamos para as produções televisivas que migraram para o cinema? Destacamos:

"Meu Passado Me Condena" era uma série produzida pelo Multishow e que virou uma franquia de filmes em 2013, 2015 e 2019. A "Grande Família", série exibida pela Rede Globo, também ganhou uma versão cinematográfica em 2007: "A Grande Família: O Filme". "Os Normais", sucesso televisivo estrelado por Fernanda Torres e Luiz Fernando Guimarães, foi adaptado duas vezes para o cinema, com "Os Normais - O Filme", em 2003, e "Os Normais 2 - A Noite Mais Maluca De Todas", em 2009.

"Confissões de Adolescente", série exibida entre 1994 e 1996 pela TV Cultura e posteriormente pela Band, foi um estouro na época e se tornou um filme "Confissões De Adolescente" em 2013, com a mesma direção de Daniel Filho. A Rede Globo, entre 2002 e 2005, exibiu a série "Cidade dos Homens", que dois anos depois, em 2007, ganhou sua versão cinematográfica: Cidade Dos Homens - O Filme.

"A Mulher Invisível" é um caso de contramão: primeiro teve um filme lançado em 2009 e, posteriormente, a Rede Globo lançou uma série que foi ao ar em 2011. "Se Eu Fosse Você" segue o mesmo exemplo: depois do sucesso de seus dois filmes (2006 e 2009), a Fox Brasil adaptou o longa para as telinhas em duas temporadas, transmitidas entre 2013 e 2015.

Por fim, não podemos deixar de citar o programa educativo "Castelo Rá-Tim-Bum", que marcou toda uma geração dos anos 1990 na TV Cultura. Em 1999, foi lançado "Castelo Rá-tim-bum, O Filme", com direção de Cao Hamburger. O longa é vagamente baseado na série de televisão, sem nenhuma continuidade de enredo e com a adição de novos personagens.


Deixe seu comentário
comments powered by Disqus